Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


resumindo

por Sérgio de Almeida Correia, em 03.09.19
106106644-1567318333172hongkongprotestsap_subway.j
(Ring Yu | HK01 via AP)

 

I had not given myself the choice to take an easier path and that is to leave. I’d rather stay on and walk this path together with my team and with the people of Hong Kong.”

As declarações desta tarde da Chefe do Governo de Hong Kong podem ajudar a esclarecer alguma coisa sobre o que se está a passar, mormente quanto à sua consistente falta de aptidão para resolver a crise política e social em que a Região Administrativa Especial de Hong Kong está mergulhada.

O caos está instalado há várias semanas. Pelo que hoje se ouviu estará para continuar. 

Diz Carrie Lam que até ao momento nunca apresentou a sua demissão ao Governo Central, que jamais discutiu com este essa possibilidade, e que a decisão de continuar, não se demitindo, é exclusivamente dela.

Nada disto, e a forma veemente como o afirmou, permite a alguém concluir que não seja assim. Daí, talvez, que a própria refira que não quis escolher o caminho mais fácil – admito que para ela e para Pequim –, preferindo ficar e prosseguir com a sua equipa e "o povo de Hong Kong".

Sem querer dar toda a razão ao cronista Alex Lo (Hong Kong: a failed political experiment), quando categoricamente nos diz que Hong Kong é um falhanço tão grande que conseguiu colocar de acordo "mainlanders" e chineses de Taiwan, talvez que a explicação do desastre – visto não em termos teóricos, pois continuo a pensar que o princípio "um país, dois sistemas" tem virtualidades, mas em termos práticos – resida na admissão de factos, por parte da senhora Carrie Lam, que não têm qualquer correspondência na realidade.

Fê-lo noutras ocasiões. Repetiu-o hoje para confirmá-lo. 

Quando a Chefe do Executivo assume que não se demite porque quer continuar o caminho com a sua equipa e o povo de Hong Kong, isso estará  muito certo quanto à sua equipa. A sua equipa foi convidada, aceitou o convite, foi nomeada, e é paga (bem) para isso. Mas quanto ao povo de Hong Kong, quem é que lhe perguntou se queria a senhora Carrie Lam a mandar? Quando é que o povo se manifestou? E perante a crise actual, e com toda a inaptidão revelada pela senhora e a sua equipa, alguém perguntou ao povo de Hong Kong se queria prosseguir com a actual Chefe do Executivo? Pagaram ao povo de Hong Kong para aceitá-la?

A mim parece-me que a Chefe do Executivo de Hong Kong se predispôs, uma vez mais, a transportar no seu veículo passageiros que há semanas não se cansam de berrar, e alguns até de vandalizarem vidros e estofos, para vincarem a sua posição. Isto é, que não querem prosseguir a marcha nas actuais condições; e ainda menos se conduzidos pela senhora. E acrescentam entre gritos e choro que só continuarão dentro daquele veículo à custa de muita pancada. 

Poder-se-á sempre dizer que o povo de Hong Kong não escolheu, e que também não manifestou oportunamente a sua oposição à solução negociada. E que até poderia tê-lo feito no tempo colonial. Em todo o caso, quanto a este ponto, penso que como qualquer pessoa de bem e de boa fé confiou no que lhe foi prometido, tanto pelo tutor colonial que lhe foi imposto após a Guerra do Ópio, como pelo mãe biológica da qual fora apartado há mais de 150 anos. 

Vinte e dois anos depois da transferência de soberania, embora tivesse começado a dar sinais anteriormente, a confiança desmoronou-se de vez.

Como num qualquer contrato de casamento, um dos cônjuges, neste caso o povo, fartou-se das juras e das promessas não cumpridas pelo outro, o Chefe do Executivo de HK. Juras e promessas avalizadas pelo sogro que vive em Pequim. Vê-se por aqui que não se trata, obviamente, de uma relação entre mãe e filho, ao contrário do que candidamente pensava Carrie Lam, ainda em Junho, em mais uma leitura distorcida da sua situação, digamos assim, político-familiar.

A senhora Carrie Lam, mais a mais sendo pessoa evangelizada e habituada a ouvir homilias, devia saber que por mais que os anos passem um casamento por conveniência só será eterno se a ele não sobrevir o sofrimento e a infelicidade de uma das partes. Se a estes se juntarem depois os maus tratos físicos, verbais e psicológicos por parte de um cônjuge autoritário e dominante, então estarão criadas as condições para a louça se começar a partir e os móveis voarem pelas janelas e varandas. Tudo perante a revolta dos filhos trintões que, não conseguindo arranjar casa para se mudarem, se sentem injustiçados e estão fartos de assistir às cenas de insulto e de estalada à hora da novela. A paciência destes é igualmente um recurso finito.

E é claro que chamar o vizinho, só porque é um primo bem colocado na polícia, com amigos em Macau e da confiança do sogro, para bater no cônjuge queixoso e nos filhos incompreendidos, em vez de procurar acalmá-los e resolver o problema sem violência, como gente civilizada, também poderá não ser a melhor solução. No limite zangam-se todos, não fica nada de pé, e ainda correm o risco de chegarem a 2047 deserdados pelos tios que têm o negócio das antiguidades e velharias.

Em termos sucintos é assim que estão do outro lado do delta do rio das Pérolas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

míssil

por Sérgio de Almeida Correia, em 09.05.19

É natural que o Chefe do Executivo da RAEM, os senhores do Gabinete de Ligação e o Governo Central não gostem de ver críticas à má governação de Macau, em especial quando aquelas têm origem em residentes chineses ligados ou próximos dos movimentos pró-democráticos, em pessoas da comunidade macaense ou em expatriados portugueses ou de qualquer outra nacionalidade.

Se quanto a estes ainda podem dizer que "são do contra", já o mesmo será mais difícil de afirmar quando os críticos sejam cidadãos chineses ligados às associações tradicionais próximas do Partido Comunista Chinês, cujo patriotismo é sobejamente reconhecido, enaltecido e aplaudido pelo poder político de cá e de lá.

Tornam-se por isso cada vez mais indisfarçáveis os sinais de mal-estar que nos vão chegando, quase diariamente, destes sectores que constituem o grosso da população de Macau e que de há muitos anos a esta parte são os alicerces das políticas oficiais.

Desta vez, e na linha das críticas anteriormente veiculadas pela sua colega de bancada na Assembleia Legislativa, Ella Lei, li no JTM as declarações do deputado, eleito pelo sufrágio directo, Leong Sun Iok. Recorde-se que este deputado integrava as listas da União para o Desenvolvimento (UPD) ligada à Federação das Associações dos Operários de Macau. Povo chinês, portanto, gente patriota que trabalha, que não vive da especulação imobiliária e dos casinos, nem dos cambalachos habituais.  

E que disse Leong Sun Iok?

Apenas que "a sociedade espera que o novo Governo acabe com os maus hábitos, contribuindo com o seu melhor para governar Macau e criando uma nova imagem do Governo”, que a capacidade de governação não conseguiu acompanhar o ritmo do desenvolvimento, dando origem a “vários conflitos e problemas sociais”, sublinhando que "os residentes continuam muito insatisfeitos com a má governação e a falta de integridade", com o desenvolvimento urbano, com o sistema jurídico, com a fiscalização financeira, com a formação de talentos, com a legislação laboral, com a habitação, com o trânsito e a distribuição das receitas". Ou seja, com quase tudo. Notável.

Como se o que disse não fosse já suficiente, ainda se referiu a "actos ilegais" que deram origem a situações de “corrupção, abuso de poder e prevaricação por parte de titulares dos principais cargos e chefias dos serviços públicos”,  para concluir que "a sociedade espera que o novo Governo faça uma revisão e resolva as insuficiências do passado, reforce a aplicação das políticas e resolva os problemas relacionados com a economia e a vida da população, que reforce especialmente a construção de uma cidade íntegra e resolva o problema dos dirigentes que nada fazem ou actuam à toa”.

Eu fico satisfeito por ver isto dito de forma tão clara por um residente de Macau, chinês, patriota aos olhos de Pequim e eleito pelo sufrágio directo no ano em que se celebram 20 anos de integração na RPC. 

As declarações de Leong Sun Iok devem ter feito corar de vergonha o Chefe do Executivo e os senhores do Gabinete de Ligação porque será difícil continuar a tapar a realidade com uma peneira ou acusá-lo, e aos milhares de operários que a federação representa, de anti-patriotismo.

Leong Sun Iok disparou um míssil que deverá servir de aviso a Pequim sobre o que Macau e os seus residentes esperam do próximo Chefe do Executivo. É que se este vier a ser, como tudo indica, o até agora único candidato que se apresentou, estaremos perante mais um tiro no princípio "um país, dois sistemas", embora aquele possa ter o apoio dos acomodados e subservientes da praxe que vêm nele um talento de proporções bíblicas.

Sem alguém com capacidade política (repito para os mal intencionados: política), vontade ou liberdade para mudar o actual estado de coisas e cumprir os desígnios de Pequim em matéria social, sem alguém que esteja suficientemente distante dos lobbies e dos interesses dos baronetes locais que têm (des)governado a RAEM e permitiram que se chegasse ao estado actual de insatisfação geral, será muito difícil mudar.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Calendário

Novembro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D