Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


futuro

por Sérgio de Almeida Correia, em 10.01.19

shenzhen-all-taxi.jpg

Aqui há uma década, um amigo meu quis desenvolver um projecto pioneiro na área dos veículos eléctricos, a ser concretizado no Algarve. Procurou para esse efeito obter o apoio do Governo, nomeadamente do responsável pela pasta do Ambiente, bem como sensibilizar os autarcas e a influente estrutura regional. Embateu então num muro invisível de betão, feito de desconfianças pessoais e políticas, muitas promessas e, acima de tudo, falta de vontade política. Perdeu-se o projecto e uma boa oportunidade de dotar o Algarve e Portugal de uma rede pioneira de automóveis de aluguer eléctricos.

Noutras paragens, as necessidades de combate à poluição urbana, de redução das emissões e de protecção da saúde dos cidadãos aguçaram o engenho. Sem fundos europeus a financiarem os projectos, mas com um poderoso investimento público, a opção pelo transporte eléctrico avançou. Desde logo em relação aos transportes públicos, mas com extensão aos veículos privados, sejam motociclos ou automóveis, dos mais pequenos e familiares aos desportivos.

Já em tempos neste espaço dei conta do choque, no bom sentido, que foi para mim regressar a uma pacata e atrasada vilória de pescadores que em pouco mais de duas décadas passou de alguns milhares de habitantes para mais de 12 milhões.

Quanto nessa altura voltei a Shenzhen, é esta a cidade de que se trata e hoje uma das capitais tecnológicas do novo Império do Meio, por onde aliás têm passado membros do Governo português, fiquei surpreendido com o desenvolvimento, a pujança de que a cidade dava mostras e a revolução urbana que empreendera: avenidas largas, passeios seguros, relativo equilíbrio entre zonas arborizadas e cimento e autocarros eléctricos.

Se quanto à frota de autocarros já se sabia desde o ano passado qual o nível atingido –  no final de 2017 havia mais de 16 mil autocarros eléctricos em circulação –, desde ontem ficamos igualmente a conhecer que a cidade tem agora a maior frota de táxis eléctricos do mundo. Num universo de mais de 21 mil táxis, 99% são eléctricos.

Os resultados alcançados,no seguimento do que aconteceu numa outra cidade chamada Taiyuan (Shanxi), são notáveis em matéria de redução de emissões e qualidade de vida dos habitantes da cidade e das regiões vizinhas.

Bem sei, daquilo que me dizem os especialistas, que ainda não existe uma solução que resolva de vez o problema das baterias usadas. Em todo o caso, ainda assim, creio que os ganhos são superiores aos custos e não posso deixar de pensar como é possível fazer tanto em tão pouco tempo numa cidade com a dimensão de Shenzhen.

E nesta pequena cidade onde vivo, com pouco mais de 600.000 almas e rios de dinheiro e desperdício, não é sequer possível substituir um número infinitamente menor de autocarros e táxis velhos e poluentes pelos seus congéneres eléctricos num prazo de meia dúzia de anos. 

Shenzehn é por isso mesmo a prova final, para quem ainda duvidasse, de que não basta dinheiro. É preciso arrojo, boa governança, capacidade de planificação e de decisão política, gente qualificada, transparência nas escolhas, critério no investimento público e, sobretudo, um controlo impedioso da corrupção e do tráfico de influências.

Autoria e outros dados (tags, etc)

sopro

por Sérgio de Almeida Correia, em 12.12.18

images-7.jpeg

De repente, como se esse não fosse um assunto prioritário há muitos anos, eis que gente com responsabilidades governativas e empresariais se lembrou de explicar, finalmente, a necessidade da RAEM recrutar pessoal especializado no exterior para as áreas em que está carenciada.

As posições saloias, irrealistas e ignorantes de alguns deputados caem assim por terra. Já não era sem tempo.

A necessidade de recrutamento de pessoal no exterior é uma exigência fundamental para o progresso da RAEM. Um imperativo para melhorar a qualidade do serviço que é aqui prestado, corresponder às necessidades e anseios desta comunidade e dar competitividade interna e externa às empresas locais.

É lamentável que alguns deputados tenham levado os últimos anos a atacar os não residentes e os "estrangeiros" movidos por uma cegueira xenófoba e nacionalista que os impedia de perceber o mal que estavam a fazer a Macau e às suas gentes.

A RAEM tem milhões de turistas e ainda assim continua com falta de muita gente. Um drama em relação ao qual houve quem ainda não tivesse percebido a dimensão.

Macau precisa de médicos especializados e de especialistas na área dos transportes que sejam capazes de dar resposta aos cada vez mais graves problemas de circulação urbana. Mas também necessita de técnicos qualificados em matéria ambiental, de instrutores de condução que não ensinem os instruendos a circular pela faixa mais à direita das vias de rodagem, de condutores de autocarros, de pesados e de táxis mais civilizados, de polícias que saibam orientar o trânsito nas rotundas. E de  muitos mais operários especializados e empreiteiros exigentes. Quero dizer, de quem saiba construir habitações de onde os azulejos não comecem a cair ao fim de alguns meses, o lixo das obras não fique escondido dentro dos tectos falsos, atrás dos armários das cozinhas e casas de banho, e onde o calor, o frio e o vento não entrem pelas frestas das portas e janelas como se não existisse material isolante e de calafetagem.

E se olharmos para o que se passa na área do turismo, da hotelaria e dos restaurantes, salvo raras excepções, o panorama é aterrador.

Macau precisa de mais e melhores chefes de cozinha. De profissionais que saibam confeccionar refeições decentes a preços normais sem andarem à procura da estrela Michelin. Já temos tascas e cantinas onde se come mal e se paga muito em número astronómico. Na área dos "comes e bebes" requer-se que haja gente que saiba servir à mesa, de gente que perceba que em nenhuma parte do mundo, muito menos em restaurantes para gente normal e com um mínimo de educação, se tiram os talheres sujos de um prato para os colocar em cima de uma toalha limpa ou do prato do pão, como se houvesse falta de talheres, de água ou detergentes em Macau e fosse obrigatório comer a entrada, o prato de peixe e o de carne sempre com os mesmos talheres. Um péssimo hábito decorrente da falta de exigência dos donos e gerentes de alguns hotéis e restaurantes e dos seus comensais. Uma vergonha nunca vista noutras partes do mundo, ainda pior numa cidade que quer ser capital gastronómica e do turismo de lazer sem que ao menos se aprenda primeiro a comer e a servir à mesa.

Por isso também não se pode ignorar a miséria que é para uma terra com a riqueza de Macau o atraso (e o custo) na prestação de serviços de telecomunicações e informáticos da última geração por parte de muitas empresas e bancos. Ou, ainda, a inconcebível falta de croupiers, sim de croupiers, numa terra de casinos, apenas porque não se pode contratar pessoal no exterior e os locais têm o exclusivo.

Não sei se a deputada Song Pek Kei, por exemplo, perceberá a gravidade de tudo isto. Da gravidade que é ter um membro do Governo na Assembleia Legislativa a dizer que não consegue contratar pessoal localmente para cumprir bem as suas funções. Ou se a senhora deputada tem consciência do nosso atraso em quase todas as áreas da nossa vida colectiva (e não falo do sistema eleitoral) e da importância destas pequenas coisas.

Não é fechando-se as portas e janelas, impedindo-se a entrada da luz e a renovação do ar e entregando-se a limpeza da casa a quem nem sequer uma casa de banho consegue manter limpa, proibindo-se a entrada de quem sabe e pode ajudar-nos a elevar-nos, que se melhora alguma coisa.

Antes de se promover Macau no exterior, antes de se proibir e limitar a entrada de não residentes, era preciso que se tivesse trazido alguém de fora para formar pessoal capaz e competente, alguém que ensinasse primeiro aos locais o que importa fazer e como.

Precisamos urgentemente de quem nos ajude a melhorar a nossa qualidade de vida e a prestação dos serviços que oferecemos a quem cá está e a quem nos visita.

Este não é um problema de patriotismo ou de amor à Pátria. É um problema de inteligência e de bom senso. De visão de futuro. E ainda estamos a tempo de resolvê-lo.

Ainda bem que houve alguém que fosse à Assembleia Legislativa dizer isso. Em chinês. E que também o tenha visto no Conselho Económico e Social. Quem sabe se daí não virá um pouco de luz para algumas cabecinhas que por aí circulam?     

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Calendário

Janeiro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D



Posts mais comentados