Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


natalices

por Sérgio de Almeida Correia, em 22.12.22

2212 2022 Choc Van.jpg

O Inverno chegou com sol. Vinte graus centígrados e 29% de humidade são o que há de melhor para se abrir as janelas, deixar a luz entrar, sair de casa, andar a pé, de bicicleta, correr, o que for, enfim, apanhar ar, percorrer os trilhos e ver as mudanças nas plantas e nos animais.

Pena que em Macau se usufrua cada vez menos das condições que temos. Num dia como o de hoje, feriado, uma volta por Coloane mostrou estacionamentos vazios, um deserto de gente, espaços fechados, e o inevitável polícia de giro a verificar parquímetros. Nem uma esplanada aberta. O cenário repete-se noutros locais mais citadinos.

Percebe-se que durante quase três anos se andou a encanar a perna à rã em matéria de pandemia, fazendo-se do apelo nacionalista e patriótico o grande estandarte. Vejam o que se passa lá fora, vejam como nós protegemos a nossa população, sintam-se agradecidos. 

Volvido este tempo, com a pandemia instalada no interior da China, à medida que se levantam as restrições anteriormente impostas para se manter a política de tolerância zero e do "zero dinâmico", verifica-se a dimensão estrato-esférica da fraude e da mentira. Percorrem-se tarde os caminhos que outros enfrentaram bem mais cedo. Os mortos, oficialmente, quase não existem, embora os números suscitem muitas dúvidas face às imagens e notícias que nos chegam de crematórios a abarrotar, como há muito não se via, e com custos elevadíssimos para as famílias que a eles têm de recorrer. De cada vez que há uma vaga de infectados e de mortes alteram-se as regras de contagem para se manterem os números reduzidos. A história não é nova. Como se alguém, no seu perfeito juízo, admitisse que com dezenas ou centenas de milhares de casos espalhados por todo o país, e vacinas das mais ineficazes, apenas morressem duas ou três pessoas por dia.

Aqui, passada a fase da paranóia securitária e operada a transformação da região para uma espécie de colónia penal de luxo, percebeu-se finalmente que a desconexão da realidade não conduziria a lugar algum. Também aqui os números vão crescendo e praticamente não há lar ou empresa que não tenha alguém infectado. E tal como do outro lado, aquilo que ontem era verdade e importante saber, de um momento para o outro tornou-se irrelevante. Se antes era necessário dar a conhecer e reportar à estatística, enquanto esta apresentava números reduzidos, agora deixou de ser conveniente. Ou foi alterado. Não interessa. O argumento, numa repetição do passado, é para quem não pensa. Dizer que não se divulgam os números dos casos de pessoas com "sintomas leves ou assintomáticos de forma a não confundirem a população sobre a situação epidémica" é conversa para fazer dos outros ignorantes.

A verdade é que hoje já não se divulgam os números dos infectados como antes se fazia apenas porque são elevadíssimos e não interessam à propaganda oficial. Ainda porque se torna muito difícil explicar às pessoas as razões para se ter a economia de rastos, delapidado as reservas, aumentado o desemprego e deixado a inflação galopar para se estar a bater no fundo.

Ninguém fica confundido com informação clara e fiável. As pessoas não são estúpidas, embora muitos possam fazer por parecê-lo para não terem chatices e continuarem a facturar. As declarações do responsável dos SSM, um dos poucos que dá a cara, são uma confissão do desastre da gestão da pandemia durante quase três anos. Tantos sacrifícios para nada.

Chegou o momento em que a única coisa que os SSM têm para nos dizer é que cada um deve ficar em casa e desenvencilhar-se como melhor puder e souber porque estamos a seguir a política anti-epidémica do Governo Central. E, tal como este, estamos à deriva e só sabemos que temos de abrir ao exterior para sobreviver e impedir a revolta social e a implosão disto tudo.

Compreende-se, ademais, o silêncio de toda aqueles que na Assembleia Legislativa levaram os períodos antes da ordem do dia a pedirem para se manter as fronteiras fechadas, implorando para se correr com os trabalhadores não-residentes, para se impedir a entrada de estrangeiros e a tecerem loas ao Chefe do Executivo e ao Executivo. Bastou o director dos Serviços para os Assuntos Laborais passar por lá uma tarde para os deputados "caírem na real". Da ausência de políticas em relação às (falidas) pequenas e médias empresas, à milagrosa diversificação económica, ao concurso para atribuição das novas concessões do jogo – cujo relatório fundamentado ainda está por conhecer devido a razões absurdas –, à política laboral e de "recambiamento" de técnicos expatriados e trabalhadores não-residentes, foi um nunca mais acabar de asneiras. O resultado está aí. Das lojas de gelados aos restaurantes, das pequenas empresas aos concessionários, não há quem não se queixe do êxodo de quadros e da falta de trabalhadores, dos mais aos menos qualificados.  Ultimamente, também, da falta de limões e paracetamol.

E de conforto não serve que venham falar, a toda a hora, no reforço das relações com os países de língua portuguesa. Como se isso resolvesse alguma coisa a curto prazo, e fosse possível dar-lhes algum sentido e dinamismo, para lá dos salamaleques de calendário, ignorando ostensivamente Portugal.

Enfim, por agora, o melhor mesmo é fazermo-nos todos de cegos, surdos e mudos durante a quadra natalícia. Será para muitos, provavelmente, a única forma de conseguirem ultrapassar este período sem danos de maior à sua sanidade.

Numa sociedade tolhida por um nacionalismo totalitário assustador, uma visão paranóica da segurança e uma aproximação esquizofrénica à doença viral, é preciso que nos mantenhamos ao largo. Também ao largo da bufaria das capelinhas.

Um bom livro, um filme decente ou uma música reconfortante, nos intervalos dos passeios nos trilhos, são óptimas opções para estes dias de solidão e recolhimento.

Feliz Natal para todos os que o possam ter.

2212 2022 LaGondola.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

natal

por Sérgio de Almeida Correia, em 28.12.17

25659551_10210770598804668_2081356175432021723_n.j

 E há vários anos que é sempre assim por esta altura. Houve um ano em que até lhe escrevi. Ele, simpática e educadamente, respondeu-me com algumas linhas emocionadas na volta do correio. Talvez seja essa liberdade interior que de forma tão vibrante se manifesta nesta altura do ano e acaba por nos aproximar. Quando isolado no meu próprio espírito natalício olho para mim e para os outros com um pouco menos de rigor e exigência, celebrando o sossego, o silêncio, a paz que só está ao alcance dos poucos que ainda conseguem percorrer aquela linha ténue que nos dias de hoje separa o humanismo redentor da miséria moral que nos envolve em todos os outros dias e todas as infindáveis horas de trezentos e sessenta e cinco dias rigorosamente repetidos todas as vinte e quatro horas. Assim se torna possível continuar a vislumbrar o caminho, transportando connosco a memória de outras vidas. Traçando destinos, sulcando mares, que outros navegaram sem passarem pelos mesmos portos. Como a espuma branca que atravessa rápida a rebentação, subindo pela areia até parar junto aos meus pés, como que convidando à travessia. Com o espírito de sempre. Porque de certa forma, como ele também escreveu a propósito do Torga, esse maçico incontornável da lusitaneidade, "(...) o verdadeiro inconformismo, alheio a tutelas e ortodoxias, radica - nunca é de mais repeti-lo - nessa espécie de liberdade interior que, sem abdicar das suas convicções, não cede ao sacerdócio dos bem-pensantes, recusa a censura das maiorias, rejeita palavras de ordem e desdenha as modas culturais" (Marcello Duarte Mathias, Caminhos e Destinos, A memória dos outros II). É mais ou menos isto o que vai fazendo estes dias por estas bandas. E a seguir há que voltar a ser exigente, comigo mais do que com os outros, também com estes, para que todos os anos isto continue a ser verdade, a ter sentido sendo sentido. Para que volte a ser Natal sem nunca se ter saído dele. Apanágio de homens livres.

25/12/2017, Bophut, Surat Thani

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

vénus

por Sérgio de Almeida Correia, em 25.12.13

Dia de Natal. A deslocação concretizou-se hoje. Tinha-a programado no primeiro minuto que soube da sua visita. Começámos por subir a escada larga do Rossio onde somos recebidos por um par de sorrisos que nos oferece um pequeno prospecto anunciando a aproximação à imagem que se acredita ter sido de Simonetta Vespucci. Sobre um mármore impecavelmente luminoso penetramos na sala que, por um largo corredor, nos transporta até à Florença renascentista. Primeiro é o próprio retrato de Botticelli, depois o de Rafael, a seguir vejo a imagem de Leonor de Toledo com seu filho Giovanni di Mantua num retrato imortalizado por Agnolo Bronzino. De caminho ainda me posso deliciar com as imagens da Madonna e Criança com Oito Anjos, com La Calumnia, com Madonna Magnifica, Criança e Cinco Anjos, com Il Porcellino de Pietro Tacca e o Nascimento de Vénus. Uma viagem que à medida que avançava se ia tornando esplendorosa pelas recordações que trazia à memória. Com excepção do Porcellino, junto do qual, assim que me abeirei fui convidado a esfregar o focinho não fosse a boa estrela não querer nada comigo, tudo o resto eram fotografias em tamanho real que preparavam o caminho até Vénus. De relance a recriação da Piazza della Signoria e eis que entramos na sala escura onde ela nos recebe. Apenas alguma luz marcando-lhe as formas voluptuosas. Ali estava ela em toda sua beleza. Tal qual como Sandro a vira. I Uffizi ou a Sabauda não se mudaram para Macau, é claro que não. Mas ali estava ela enquanto os meus olhos se deixavam enternecer pela imagem.

Há presentes de Natal que parecem caídos do céu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

natal

por Sérgio de Almeida Correia, em 24.12.13

Há lugar para tudo. Para todos também, embora alguns nunca cheguem lá. Durante meia dúzia de horas trocam-se abraços, sorrisos, palavras piedosas, votos e presentes, muitos, sobretudo inúteis, porque faz parte da quadra, do espírito. Tretas. De permeio empanturram-se de bacalhau, de broas, bolo-rei e afins, esquartejam perus, desafiam as leis da natureza com as quantidades colossais de álcool e de doces que ingerem e ficam no ponto para atacar o Ano Novo com redobrado vigor. Até que a sua parte mais genuína volte ao caminho de sempre, ao alheamento, à rotina, aos números, aos atropelos diários, ao esquecimento, à intolerância. Ao ano civil.

O resto é a revisitação do apelo. O reencontro. O que me faz levantar os olhos e olhar para o lado. Não os ver sentindo que estamos juntos. Como se fora aqui. Sem chorar. Saber que apesar de tudo ainda é capaz de gostar de mim mesmo quando não O reconheço nas entrelinhas, no caminho que me fez chegar até aqui. Não será uma bênção. Mas é seguramente uma parte boa. Talvez a única que me consegue confortar.   

 

Feliz Natal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:




Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Calendário

Fevereiro 2024

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



Posts mais comentados