Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


exposição

por Sérgio de Almeida Correia, em 12.10.20

images-10.jpeg

Existe um tempo para chegar, ficar e partir. E isso é válido em quaisquer circunstâncias.

Não me refiro ao evento cultural. Refiro-me ao acto de uma pessoa se expor.

A vida pública e cívica de um indivíduo é, ou pelo menos devia ser, um acto transparente de exposição orientado por valores e princípios em prol de um combate pelo bem comum, pela realização dos interesses superiores da comunidade. Um exercício de cidadania, um exercício de seriedade, de rigor ético e coerência moral, de correspondência entre o pensamento, o discurso e a prática.

O mesmo se diga quanto às instituições e as organizações colectivas.

Está tudo errado quando a exposição não é, ou deixa de ser, transparente (se é que alguma vez o foi), quando a acção se esconde através de decisões opacas e de um discurso redondo, quando se percebe que o acto de exposição apenas visa a realização de interesses egoístas, pessoais ou de grupo.

A exposição é um risco. Expõe os indivíduos, as instituições e as organizações à crítica, ao juízo de terceiros. Isso faz parte da própria da exposição e da essência da vida pública. Daí que a crítica rigorosa, fundamentada, também ela transparente, seja uma exigência da nossa vida colectiva.

Confundir isso com a crítica pessoal orientada, com a maledicência generalizada, é não só um erro como releva de um processo deficiente de formação da personalidade.  

Quando não se percebe isto dificilmente se compreenderá o sentido da exposição e da acção colectiva. Perder-se-á o objectivo, o rumo, a clarividência.

E estes não poderão faltar quando se escolhe o momento de chegar, enquanto se está, e na escolha da hora de partir.

Por vezes é difícil, mesmo doloroso, como aconteceu com Churchill. Mas foi isso que fez a diferença em relação ao seu sucessor.

Hoje todos sabem quem foi Churchill. Ninguém sabe quem foi Eden.

É sempre mau sair empurrado pelas circunstâncias porque não se percebeu qual a hora de sair. Ou depois dessa exposição se ter tornado prejudicial, indiferente e/ou irrelevante. Dar o lugar aos outros também pode ser um acto de grandeza se se souber sair de cena.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Calendário

Junho 2024

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D