Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



livros (1)

por Sérgio de Almeida Correia, em 09.12.16

Wartime Macau.jpg

Com a chancela da Hong Kong University Press, foi lançado na semana passada e posso dele dizer que se trata de mais um trabalho incontornável dirigido por Geoffrey C. Gunn, o emérito professor da Universidade de Nagasaki, senhor de uma vasta obra publicada sobre a Ásia e que vai da Ciência Política à Antropologia.

É certo que não se trata do seu primeiro trabalho dedicado a Macau ou a antigos territórios portugueses, mas desta vez tem a particularidade de, para além do seu contributo, incluir textos de João Botas, Roy Eric Xavier e Stuart Braga. Como se escreve na Introdução, os dados e a informação existentes sobre o período da II Grande Guerra em Macau estão fragmentados e aparecem normalmente dissociados de uma visão global, lacuna que o livro se propõe preencher desvendando por que razão, ao contrário de Hong Kong, Macau conseguiu evitar a ocupação japonesa.

Laborando sobre materiais em inglês, português e japonês, a investigação agora conhecida reúne o trabalho de um conjunto de autores que tiveram acesso a diferentes arquivos e constitui a primeira tentativa para situar Macau, a Casablanca do Oriente, no tempo de guerra, no contexto da situação internacional ao tempo vivida e da sua importância no funcionamento dos eixos Tóquio/Berlim/Lisboa e Washington/Londres/Lisboa. Explica o editor que a obra pretende fazer luz sobre aspectos menos conhecidos e ao mesmo tempo abrir novos caminhos de investigação, os quais serão de certo modo tributários da sua experiência como conselheiro das Nações Unidas no apoio à Comissão de Acolhimento, Verdade e Reconciliação de Timor-Leste, em meados de 2003, onde foram obtidos dados, documentos e testemunhos sobre aspectos ignorados relacionados com o período de invasão e ocupação indonésia, mas que deixaram de fora o que se relacionava com a ocupação japonesa. 

Gunn escreveu os capítulos 1 (Wartime Macau in the Wider Diplomatic Sphere), 3 (Hunger amidst Plenty: Rice Supply and Livelihood in Wartime Macau), 6 (The British Army Aid Group (BAAG) and the Anti-Japanese Resistance Movement in Macau), bem como o epílogo e a conclusão. O capítulo 2 é da autoria de João Botas e tem por título Macau 1937-45: Living on the Edge: Economic Management over Military Defences, ficando os capítulos 4 (The Macanese at War: Survival and Identity among Portuguese Eurasians during World War II) e 5 (Nossa Gente (Our People): The Portuguese Refugge Community in Wartime Macau) para Xavier e Braga, respectivamente.

O tamanho escolhido para a letra podia ser maior, mas tal pecadilho, bem como as gralhas na ortografia de alguns termos portugueses, não retira nem o interesse à obra, nem o imenso prazer que da sua leitura se pode extrair. 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D



Posts mais comentados