Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



excessiva

por Sérgio de Almeida Correia, em 04.08.22

hicupgd_nancy-pelosi-in-taiwan_625x300_02_August_2

Vai por aí um escarcéu com a deslocação de Nancy Pelosi à Ásia, em especial com a sua solitária incursão a Taipé.

Compreende-se que a atitude de Pelosi cause algumas comichões em Pequim, e que os responsáveis pela política externa da RPC vejam a visita a Taiwan e as honras que lhe foram concedidas pela senhora Tsai Ing-wen como uma atitude provocatória. Mas é exactamente isto de que se trata, de uma provocação, e a vocalização exacerbada da oposição à atitude da speaker da Câmara dos Representantes só serviu para lhe dar mais visibilidade, desvalorizando a legítima posição da RPC e conferindo à deslocação e à senhora a importância que não têm.

Convirá ter presente que este ano haverá eleições intercalares nos Estados Unidos da América e que a maioria democrata nos Representantes poderá estar em risco. Quem acompanha a vida política interna desse país sabe perfeitamente que ali é esta que condiciona a política externa e que todos os movimentos conduzidos na frente diplomática têm repercussões dentro do país e forte influência na balança do poder e nos equilíbrios políticos internos nas duas câmaras do Congresso.

Esquece-se que já era assim no tempo de Obama, dos Bush, de Reagan, de Nixon, de Kennedy, de Roosevelt, de Truman e de todos os outros que antecederam Biden. Mas o melhor exemplo é o de Woodrow Wilson. Quando este propôs o plano dos 14 pontos empenhou-se, e à sua administração, na formação da Sociedade das Nações e depois viu rejeitada a aprovação do Tratado de Versalhes e a subsequente entrada dos EUA na organização, a qual estava condenada à nascença pela oposição do senador Lodge. Lodge achava-se o supra-sumo em matéria de política internacional e ficou zangado pelo facto de Wilson não ter incluído senadores na delegação que foi a França à Conferência de Paris. Um problema de sacristia. Também em 1918 havia "midterm elections" e o resultado da disputa interna entre Wilson e Lodge conduziu à rejeição do tratado pelo Senado em Novembro de 1919. 

A situação que hoje se vive não é muito diferente da que naquele tempo se vivia, com a diferença de que Joe Biden fez aquilo que a RPC deveria ter feito: desaconselhou a visita de Pelosi a Taiwan, desvalorizou-a, e seguiu em frente porque há questões mais importantes para resolver interna e externamente.

É claro que os arautos do megafone e campeões do patriotismo embarcaram na esparrela. Há um congresso do PCC no Outono e é preciso manter as massas arregimentadas. Basta ler o que na imprensa de Macau se escreveu para se perceber do que falo. Gente habituada a calar-se perante as maiores arbitrariedades e que não se importa de rastejar por quem lhes paga independentemente da cor do dinheiro, que não diz uma palavra sobre a violência das políticas de Covid-19, os ataques à liberdade de imprensa, os direitos de manifestação e reunião e a criação subreptícia de um estado policial, ou até sobre o que está a acontecer no Mianmar, veio logo a terreiro em bicos de pés repetir, para "inglês ver", a cantilena do megafone.

Pelosi não tem no sistema institucional dos EUA o peso político que lhe quiseram atribuir. Em fim de carreira, numa situação permanente de equilíbrio periclitante na Câmara e nos saltos altos com que desce as escadas do avião que a transporta, sem o apoio da Administração Biden na sua excursão, montou uma encenação destinada a dar-lhe o palco que em breve vai perder. 

Ao conferirem importância à visita de Nancy Pelosi, personalidade sem qualquer poder executivo e verdadeiro peso, esquecendo o sistema de repartição de poderes nos EUA, os falcões de Pequim acenderam os holofotes e cometeram um erro político, visto que deram-lhe o protagonismo que ela queria, que não tem e não merece. Com isso encheram canais de televisão, páginas de jornais e revistas com fotografias da madame, da sua entourage e da líder de Taiwan. As senhoras devem estar neste momento profundamente agradecidas à falta de visão política de quem embarcou nessa campanha e lhes deu tanto tempo de antena.

Nenhum país com peso no contexto mundial deu importância à viagem. Alguns houve que fizeram declarações de circunstância, habituais nos corredores da diplomacia, mas a maioria não ligou peva ao assunto. Não há, não houve, qualquer inflexão na política de uma só China, até porque a ONU e a opinião pública mundial não o permitiriam, e a viagem será rapidamente esquecida.

Tudo o mais não passa de folclore de ocasião, demonstrações de força inconsequentes para consumo interno das opiniões públicas em Washington e Pequim, e satisfação de egos tão limitados que merecem a nossa compaixão.

Autoria e outros dados (tags, etc)




1 comentário

Sem imagem de perfil

De Pedro Coimbra a 04.08.2022 às 07:37

A explicação para esta visita passará muito por aí.
Pelo país, pelas eleições internas, por um eleitorado que gosta muito de demonstrações de força face ao poderio chinês.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Calendário

Agosto 2022

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



Posts mais comentados