Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



prosperidade

por Sérgio de Almeida Correia, em 27.09.22

IMG_6459.JPG

Ainda não me tinha apercebido do sucesso da política de tolerância zero, ou do "zero dinâmico", em Hong Kong, região que entretanto a abandonou, reivindicando a sua autonomia para fazer diferente. E teve toda a razão para isso. 

Bastou-me passar pelo Aeroporto de Hong Kong para sentir a dimensão da asneira, da falta de bom senso, da ausência de inteligência e racionalidade.

Tirando o vendedor de bebidas espirituosas e charutos, com um pequeno quiosque de circunstância, não há nada. Tudo fechado. Sem aviões, sem gente, sem lojas. Uma dor de alma, mais de dois anos e meio após o início da epidemia.

Aquela que foi a porta de entrada, de passagem e de saída de uma das mais vibrantes cidades do mundo, um porto de acolhimento, um entreposto único de culturas e gentes, uma meca dos negócios, onde todos se queriam estabelecer ou possuir um escritório, pequeno que fosse, para poderem crescer, surge agora como uma sombra desfocada de si.

O Aeroporto de Chek Lap Kok é actualmente uma viagem à tristeza, ao desacanto, ao desconforto, a um sistema que aos poucos desaparece. Ali, tal como na Macau de hoje, que não passa de uma pequena aldeia mal governada, sem carisma ou apelo, a política da prosperidade comum passou num ápice a política da miséria comum.

A prosperidade transferiu-se para outras paragens. Aqui ficaram cartões de consumo, um paliativo que não gera investimento, não potencia a criação de riqueza, e não contribui para a alegria e a felicidade de pessoas sãs, normais e trabalhadoras.

John Lee ter-se-á apercebido a tempo do que lhe estava destinado, no seguimento de um desastre político e governativo de contornos épicos, não sendo por isso de admirar que tenha decidido correr o risco de abrir, desafiando a politica de tolerância zero e invocando para tal a autonomia de Hong Kong, no que foi apoiado pelas autoridades do Governo Central.

A notícia da eliminação das quarentenas pode vir a ser o balão de oxigénio de que Hong Kong necessita para tentar sobreviver e manter-se à tona. Por agora.

Temo, apesar de tudo, que chegue tarde e seja insuficiente.

Em todo o caso, chegará sempre muito mais cedo do que em Macau, onde ainda se procura ver de onde soprará o vento a partir de Outubro. E se espera que haja condescendência para se continuar a "enterrar" a economia de Macau e a transformar o apregoado centro mundial de turismo e lazer num incaracterístico, mas muito seguro, centro nacional de excursões para compatriotas.IMG_6467.JPGIMG_6465.JPG

IMG_6456.JPGIMG_6461.JPGIMG_6458.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Calendário

Setembro 2022

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D



Posts mais comentados