Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



excessiva

por Sérgio de Almeida Correia, em 04.08.22

hicupgd_nancy-pelosi-in-taiwan_625x300_02_August_2

Vai por aí um escarcéu com a deslocação de Nancy Pelosi à Ásia, em especial com a sua solitária incursão a Taipé.

Compreende-se que a atitude de Pelosi cause algumas comichões em Pequim, e que os responsáveis pela política externa da RPC vejam a visita a Taiwan e as honras que lhe foram concedidas pela senhora Tsai Ing-wen como uma atitude provocatória. Mas é exactamente isto de que se trata, de uma provocação, e a vocalização exacerbada da oposição à atitude da speaker da Câmara dos Representantes só serviu para lhe dar mais visibilidade, desvalorizando a legítima posição da RPC e conferindo à deslocação e à senhora a importância que não têm.

Convirá ter presente que este ano haverá eleições intercalares nos Estados Unidos da América e que a maioria democrata nos Representantes poderá estar em risco. Quem acompanha a vida política interna desse país sabe perfeitamente que ali é esta que condiciona a política externa e que todos os movimentos conduzidos na frente diplomática têm repercussões dentro do país e forte influência na balança do poder e nos equilíbrios políticos internos nas duas câmaras do Congresso.

Esquece-se que já era assim no tempo de Obama, dos Bush, de Reagan, de Nixon, de Kennedy, de Roosevelt, de Truman e de todos os outros que antecederam Biden. Mas o melhor exemplo é o de Woodrow Wilson. Quando este propôs o plano dos 14 pontos empenhou-se, e à sua administração, na formação da Sociedade das Nações e depois viu rejeitada a aprovação do Tratado de Versalhes e a subsequente entrada dos EUA na organização, a qual estava condenada à nascença pela oposição do senador Lodge. Lodge achava-se o supra-sumo em matéria de política internacional e ficou zangado pelo facto de Wilson não ter incluído senadores na delegação que foi a França à Conferência de Paris. Um problema de sacristia. Também em 1918 havia "midterm elections" e o resultado da disputa interna entre Wilson e Lodge conduziu à rejeição do tratado pelo Senado em Novembro de 1919. 

A situação que hoje se vive não é muito diferente da que naquele tempo se vivia, com a diferença de que Joe Biden fez aquilo que a RPC deveria ter feito: desaconselhou a visita de Pelosi a Taiwan, desvalorizou-a, e seguiu em frente porque há questões mais importantes para resolver interna e externamente.

É claro que os arautos do megafone e campeões do patriotismo embarcaram na esparrela. Há um congresso do PCC no Outono e é preciso manter as massas arregimentadas. Basta ler o que na imprensa de Macau se escreveu para se perceber do que falo. Gente habituada a calar-se perante as maiores arbitrariedades e que não se importa de rastejar por quem lhes paga independentemente da cor do dinheiro, que não diz uma palavra sobre a violência das políticas de Covid-19, os ataques à liberdade de imprensa, os direitos de manifestação e reunião e a criação subreptícia de um estado policial, ou até sobre o que está a acontecer no Mianmar, veio logo a terreiro em bicos de pés repetir, para "inglês ver", a cantilena do megafone.

Pelosi não tem no sistema institucional dos EUA o peso político que lhe quiseram atribuir. Em fim de carreira, numa situação permanente de equilíbrio periclitante na Câmara e nos saltos altos com que desce as escadas do avião que a transporta, sem o apoio da Administração Biden na sua excursão, montou uma encenação destinada a dar-lhe o palco que em breve vai perder. 

Ao conferirem importância à visita de Nancy Pelosi, personalidade sem qualquer poder executivo e verdadeiro peso, esquecendo o sistema de repartição de poderes nos EUA, os falcões de Pequim acenderam os holofotes e cometeram um erro político, visto que deram-lhe o protagonismo que ela queria, que não tem e não merece. Com isso encheram canais de televisão, páginas de jornais e revistas com fotografias da madame, da sua entourage e da líder de Taiwan. As senhoras devem estar neste momento profundamente agradecidas à falta de visão política de quem embarcou nessa campanha e lhes deu tanto tempo de antena.

Nenhum país com peso no contexto mundial deu importância à viagem. Alguns houve que fizeram declarações de circunstância, habituais nos corredores da diplomacia, mas a maioria não ligou peva ao assunto. Não há, não houve, qualquer inflexão na política de uma só China, até porque a ONU e a opinião pública mundial não o permitiriam, e a viagem será rapidamente esquecida.

Tudo o mais não passa de folclore de ocasião, demonstrações de força inconsequentes para consumo interno das opiniões públicas em Washington e Pequim, e satisfação de egos tão limitados que merecem a nossa compaixão.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Calendário

Agosto 2022

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D



Posts mais comentados