Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



qualidades

por Sérgio de Almeida Correia, em 15.04.21

(créditos: GCS)

Na reunião plenária da Assembleia Legislativa de 13 de Abril pp., o Chefe do Executivo (CE), de acordo com o relatado pela comunicação social, admitiu a eventual entrada de trabalhadores domésticos não-residentes desde que vacinados contra a COVID-19 e após a realização de quarentena.

Ao mesmo tempo, noutro passo da sua intervenção, voltou a sugerir que os residentes de Macau que tenham os respectivos cônjuges e filhos no estrangeiro, se quiserem estar com os seus familiares deverão fazê-lo lá fora.

Eu ouvi e fiquei comovido com a sensibilidade e argúcia do CE.

Por um lado, o CE considera que é mais importante o regresso de um trabalhador doméstico não-residente do que o convívio entre casais ou entre pais e filhos. Ou seja, na perspectiva do CE faz mais falta uma empregada doméstica para passear o cão e apanhar os excrementos daquele do que a assistência e acompanhamento de um pai ou de uma mãe ao seu filho residente e que está há um ano ou mais privado do contacto com o/a progenitor/a. Como se isto não tivesse também efeitos psicológicos e para o bem-estar das crianças e demais familiares residentes.

Mas, ao mesmo tempo, quando diz que os residentes se quiserem podem apanhar um avião, o CE também se esquece dos custos que uma decisão dessa natureza poderia acarretar. Desde logo os económicos, porque certamente seria mais oneroso para uma família pagar duas ou três viagens para o exterior do que comprar apenas uma para permitir a entrada do familiar retido no estrangeiro.

Depois, porque se o outro membro do casal que é residente em Macau quiser apanhar o tal avião, com a generosidade dos empregadores locais, seus amigos deputados, ficaria privado de rendimentos, e no regresso, à custa dos vinte e um dias de quarentena, o mais provável seria que também perdesse o emprego e fosse engrossar a lista de desempregados. E os filhos que se tivessem ausentado para ver o pai ou mãe ainda perderiam o ano lectivo.

Acresce que não se vê que mal poderia haver para a saúde pública se o familiar que regressasse a Macau viesse vacinado, realizasse à partida e à chegada testes de despistagem à COVID-19 e ainda por cima se sujeitasse a quarentena. Numa situação destas, testando negativo e sujeito a tanto controlo, seria perfeitamente irrelevante de onde viesse.

Mais do que a falta de razoabilidade e lógica dos argumentos do CE, fica no ar a ideia de que o problema não é de saúde pública. É outro.

Ninguém quer dizer abertamente qual é. Ninguém no Governo o assume, mas em cada dia que passa vai-se percebendo que o problema não é a COVID-19. 

Duvido que seja bom para Macau, pois não me parece que a descaracterização da identidade da região, dos seus traços próprios, que a distinguiam das outras cidades chinesas e atraíam tantos visitantes de outros cantos do mundo, fazendo-a perder as características que a marcam há séculos, seja uma atitude patriótica.

Qualquer que seja o prisma de observação.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Calendário

Abril 2021

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D



Posts mais comentados