Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



blue

por Sérgio de Almeida Correia, em 26.08.19

Lá fora chove intensamente. Cai o céu em mais uma noite de tempestade tropical. Relampeja e troveja quando, a propósito do admirável documentário de Bruce Weber, recordo o fabuloso Chet Baker e ouço Almost Blue.

Há sempre uma encruzilhada na vida de um homem normal. Talvez várias na vida de um homem que escape à mediania. Uma ou várias implicam escolher. Pode ser a decisão de dar ou não dar um beijo, o destino de uma paixão, a escolha de um amor (sim, o amor também é uma escolha). Para alguns a descoberta de uma vocação, por vezes a opção entre uma vida livre a sofrer ou uma do tipo vegetativa, rica e sem dramas. Com princípio, meio e fim, ignorando a dor, própria ou alheia.

Tirando aquela parte em que o entrevistador pergunta a Chet Baker qual terá sido o momento mais feliz da sua vida, cuja compreensão — digo eu, que não sou tão exagerado como ele ou Faulkner — só está ao alcance de um alfista(*), recordo aquele momento em que Baker, olhando para si próprio, diz o que aconselharia a um filho. Era mais ou menos isto: descobre o que queres ser, vai por ti, e depois procura ser um génio no que escolheste.

O problema é que nem todos têm o mesmo grau de loucura nas escolhas que fazem para atingirem a genialidade. E depois é preciso levar o resto da vida a conviver com isso. Uma chatice.

 

A diferença entre um homem e um génio está na sua dose de loucura.

E ser capaz de colocá-la ao serviço dos outros dando prazer a si próprio. Seja na literatura, na pintura, na música, na medicina, num artigo de jornal ou numa sala de audiências, sem nunca se esquecer que a genialidade só pode ser reconhecida se no meio de toda a loucura o génio ainda for capaz de realizar que vive em sociedade. E por causa dela.

Os outros tornam os génios menos infelizes quando reconhecem a sua loucura. Sem dizê-lo. E ao tirarem partido dela, em cada instante, ainda quando não o reconhecem, ajudam a prolongá-la. A realização do génio passa por trazê-lo até à nossa dimensão. Até à ignorância. É nisso que está a genialidade. E só os que humildemente o aceitam conseguem atingir esse estatuto. Almost Blue.

21539474_zKiM7[1].jpg(a foto tem direitos de autor)

(*) Contra tudo o que se poderia imaginar, Baker diz ter sido o momento em que guiou pela primeira vez o seu Alfa Romeo. Eu não vou tão longe, embora não possa deixar de sorrir.

(via Delito de Opinião)

Autoria e outros dados (tags, etc)

comentadores

por Sérgio de Almeida Correia, em 26.08.19

O comentador oficial da Associação dos Advogados de Macau (AAM), isto é, desde 1995, com excepção do longo interregno entre 2000 e 2002, queixou-se de que os órgãos de comunicação social de Macau ouvem sempre os mesmos comentadores. Também me parece.

Quando o li até pensei que era o Guilherme Valente a queixar-se. Depois lembrei-me que já cá não mora. Nem ele nem o Camões.

É, em todo o caso, um problema sério e com raízes.

No tempo do governador Almeida e Costa já era assim. O Dr. Assumpção também se queixava do mesmo. Depois melhorou quando se andaram a fazer aquelas negociatas no tempo do Melancia. Como os comentadores andavam ocupados a enriquecer com as concessões e as obras não tinham tempo para comentar. E com o general Rocha Vieira as coisas também não andaram bem. Não havia comentadores. Só rumores. E quando alguém queria comentar pensavam logo em comprar o jornal. Ou o comentador. Alguns até vinham em excursão de Lisboa. E pronto, estava o comentário feito. Primeiro era à saída do Terminal do Porto Exterior, depois à chegada à sala VIP do Aeroporto.

Mas no essencial estou plenamente de acordo com as críticas. O queixoso tem toda a razão. Aliás, penso que devia queixar-se mais vezes. Não sei se já terá pensado fazê-lo ao Senhor Procurador. Ou ao Comissário Contra a Corrupção. 

Oxalá que o Dr. Rui Cunha (devia convidá-lo para as tardes da Fundação) e a Dra. Manuela António tenham tempo para ouvirem as suas queixas. O Dr. Frederico Rato não deve ter muito tempo para isso porque também anda ocupado a comentar. É como o meu amigo Miguel Senna Fernandes. A Dra. Amélia tem de contratar os artistas para o arraial e ultimamente só fala de portugalidades. E o Dr. Leonel Alves tem de dar uma mão ao Duarte nas coisas do Benfica. Gente ocupada. 

De qualquer modo, não se compreende que não lhe dêem ouvidos. A malta da imprensa sempre foi torcida. Rocha Diniz que o diga. Uma chatice.

É que, além do mais, só no escritório desse comentador da AAM, que às vezes também comenta para a Sociedade Nam Van, para os casinos, para a TDM, e mais uns quantos que assim de repente me lembro, há umas três dezenas de advogados, advogados-estagiários e juristas sempre disponíveis para comentarem todas as questões de actualidade jurídica e jurídico-política da RAEM.

E na AAM, que não é um sindicato nem um partido político, há mais três (e havia ainda mais um magistrado jubilado ao serviço do CSA que saiu e deve estar agora mais disponível para comentar).

O facto do Prof. Arnaldo Gonçalves não estar cá, do nosso Embaixador Carlos Frota acumular na TDM e no JTM, do Dr. Rangel se fartar de comentar no JTM e do nosso Albano estar no JTM e no Macau Daily Times não explicam tudo. São sempre os mesmos. E as opiniões não variam muito.

Ao Dr. Jorge Menezes sei eu que ninguém paga. Nem os gajos do Expresso nem os da RTP. Está mal. Vá-se lá saber porquê. Ele não cobra mas deviam pagar-lhe. Podia ser que assim deixasse de comentar.

E o Dr. Paulo Cardinal da única vez que comentou fizeram-lhe a folha na Assembleia Legislativa. O Dr. Taipa não comentava mas também lhe fizeram a folha antes que se lembrasse de começar a comentar. Era só o que nos faltava. O Taipa a comentar? O gajo dava-nos cabo da loja.

Eu faço o que posso, apesar de não poder ir a todas.

Espero, pois, que para o ano também seja dada uma oportunidade ao Dr. Paulino Comandante de presidir às comemorações do Dia do Advogado. E que seja ele a dar a entrevista anual à TDM por ocasião desse evento. Consta que o jornalista Gilberto Lopes está cansado de ouvir sempre o mesmo discurso (com nuances, é certo, em função do estado do tempo) e gostava de poder variar. Isto é, de fazer nesse dia uma entrevista em patuá jurídico.

Para não serem sempre os do costume. Quer dizer, o comentador do costume. O queixoso.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Calendário

Agosto 2019

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031



Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D



Posts mais comentados