Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Visto de Macau

Linhas em jeito de diário. Inspiração. Homenagem a espíritos livres. Lugar de evocação. Registo do quotidiano, espaço de encontros. Refúgio de olhares. Espécie de tributo à escrita límpida, serena e franca de Marcello Duarte Mathias.



Segunda-feira, 30.04.18

prioridades

20180430_143630.jpg

Desconheço se, para além da candente questão do reforço da segurança interna da Pátria, todos os Secretários do Governo da RAEM e demais altos dirigentes que os acompanharam à acção de formação que teve lugar em Pequim, no decurso da semana finda, foram alertados para os problemas de saúde pública de Macau.

Como não sei se isso aconteceu, à cautela, deixo aqui, de novo, mais um reparo e uma chamada de atenção para a situação da cidade e o que se passa no NAPE, mesmo nas barbas do Ministério Público.

Desta vez, como se pode verificar pela foto de cima, consegui apanhar a lixeira aberta, o que normalmente acontece todos os dias em períodos regulares.

Mesmo ao lado dos Serviços do Ministério Público existe uma lixeira disfarçada, mas facilmente verificável por qualquer pessoa, criada num espaço que, penso eu, devia ser uma área destinada ao comércio ou que constitui zona comum de um edifício em propriedade horizontal.

Também não tenho informação que me permita saber se as escadas interiores dessa espelunca dão acesso a algum restaurante. Estou convencido de que sim, tantas são as caixas de alimentos e o lixo que ali é diariamente depositado. O espaço, pelo cheiro que dali vem, nunca deve ter sido lavado desde que existe. Como aliás deve acontecer com quase todos os passeios e locais de depósito de lixos do NAPE, que são fonte de reprodução de baratas, rataria e seres vivos similares, os quais não são particularmente reconhecidos pelo seu contributo para a higiene e bem-estar dos humanos.

Eu também sei que o IACM anda mais preocupado em "enjaular" os espaços verdes de Coloane, fazendo obras horríveis e que não servem rigorosamente para nada na Estrada do Alto de Coloane, e que, aliás, nunca fizeram falta, assim dando dinheiro a ganhar aos vendedores de tintas, ferro e cimento, do que em conduzir uma verdadeira operação de limpeza urbana, que resgate a cidade ao lixo, aos maus cheiros, às gorduras que nos fazem escorregar nos passeios imundos, e a toda a bicharada que acima referi. 

Admira-me que o Ministério Público consiga conviver lado a lado com esta inqualificável nojeira, e outras na mesma zona. Mas, apesar disso, volto a insistir para que se faça alguma coisa. Talvez a associação cívica do deputado Sulu Sou queira convidar os deputados da AL a visitarem o espaço que a foto ilustra.

Porque é uma vergonha que uma cidade que se quer internacional e de turismo continue a manter níveis de higiene típicos dos países mais pobres dos mais pobres do Terceiro Mundo.

O que se passa no NAPE é um escândalo e todos os responsáveis pela saúde e higiene públicas da RAEM deviam pedir desculpas à população.

Quanto a quem tutela o IACM já nem digo nada. Nem espero alguma coisa. Talvez o estado a que isto chegou também explique a razão para que tenham afastado eleições directas para um órgão autárquico. Assim, da maneira que isto está, e que como é previsível assim irá continuar, ninguém responde por esta e outras "nojeiras". Até quando?*

20180414_105310.jpg

20180414_105512.jpg

20180414_105551.jpg

 * - Desde já esclareço os poderes públicos da RAEM, bem como o senhor Presidente do IACM, de que estou disponível para lhes fazer uma visita guiada, fora das minhas horas de trabalho, pelos locais da cidade, e não apenas do NAPE, que são a vergonha de todos os cidadãos que querem bem a Macau. Para ver se eles percebem a gravidade do problema. E, já agora, até onde chega a incompetência (mas não me perguntem de quem para eu poupar alguns deles à vergonha).

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Sérgio de Almeida Correia

Sábado, 28.04.18

nasceu

20745389_qfZyt.jpeg

O parto correu sem incidentes e ontem começou a chegar a casa dos leitores. A edição do livro do Delito de Opinião, do qual sou co-autor, entrou em distribuição. Quem o encomendou antecipadamente irá recebê-lo nos próximos dias.

Disse-nos o Pedro Correia que a edição ficou belíssima e que valeu a pena esperar. Para ele e para a nossa Ana Vidal, que tanto se esforçaram para que a obra conhecesse a luz do dia, deixo aqui o meu obrigado, com um abraço para ambos e um beijo para a Ana. Aos demais autores, amigos e companheiros de blogue, vão os meus parabéns. 

A apresentação terá lugar no dia 10 de Maio, pelas 18:30, na livraria Almedina, no Atrium Saldanha, em Lisboa. Eu não poderei lá estar, com muita pena minha, mas os outros autores estarão à vossa disposição para autografarem os vossos exemplares.

Quanto às despesas da conversa, dir-vos-ei que ficarão a cargo do Tiago Salazar, que apresentará o livro, do Embaixador Francisco Seixas da Costa e do Ferreira Fernandes, autores dos prefácios, e do João Taborda da Gama, que escreveu o posfácio.

Estão, desde já, todos convidados. E boas leituras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Sérgio de Almeida Correia

Quinta-feira, 19.04.18

laus (5)

thumb_P1080622_1024.jpg

Como tinha planeado regressar a Luang Prabang, deixei vários locais de interesse histórico e cultural para visitar na viagem de volta. Arrumada a pequena maleta e a mochila que nestas ocasiões me segue, pedi para nos arranjarem um transporte para nos levasse ao aeroporto. Estava fora de questão rumar à capital por estrada. Solícito, o rapaz da recepção deu-me conta de que a partir da terceira noite o transporte é gratuito, o que se torna sempre agradável de ouvir apesar de me deixar com a consciência a pensar que será necessário reforçar as gorjetas na hora da partida. Num país em que o salário mínimo deverá ser aumentado em 1 de Maio p.f., para 1.100.000 kips, o equivalente a mais ou menos USD 132, ou seja, € 105,00, apesar de na capital os salários serem em média o dobro, pode-se imaginar a satisfação de quem vê alguns milhares de kips ou meia dúzia de dólares entrarem na caixinha para serem distribuídos no Ano Novo.

20180403_155044.jpg

A Lao Airlines tem vários voos diários entre as principais cidades. A empresa foi fundada em 1976, em resultado da fusão da Royal Air Lao e da Lao Air Lines, operando a partir de 1979 como Lao Aviation. Os obsoletos aviões chineses e os russos e assustadores Antonov AN-24 foram entretanto substituídos pelos ATR 42. Actualmente, a Lao Airlines utiliza os ATR-72, dos quais tem 7 aviões, e 4 Airbus A320-214. Foi num destes que fiz dois voos, serenos, não obstante dispensar as alturas.

thumb_P1080355_1024.jpg

Um amigo que esteve algumas vezes no país tinha-me dado o contacto de um colega de profissão que me poderia ser útil e que acabaria por me transmitir algumas indicações sobre restaurantes em Vienciana. Quando há um ano e pouco estive em Phnom Phen tinham-me dito que a cidade tinha pouco interesse, o que se revelaria errado. Daí que, desta vez, depois de consultar algumas fontes tivesse decidido alargar a minha estadia em Vienciana. Um dia parecia-me pouco, dois dias poderiam chegar, mas como não me apetecia andar a correr, a solução de ficar três dias completos na cidade começou a fazer sentido.

20180406_110448.jpg

A cidade foi construída nos bancos do Mekong. O rio faz a fronteira com a Tailândia. Fez parte do império Khmer, no século X. Com a queda de Angkor passou por diversas fases submetida ao controlo de vietnamitas, birmaneses e tailandeses, depois tornou-se na capital de Lang Xang. Entretanto, assistiu a vários conflitos até à instalação dos franceses, a partir de 1867. A guerra civil e os golpes de estado da década de 60 do século passado colocaram o país no mapa dos conflitos da Guerra Fria, e Vienciana encheu-se de espiões, mercenários, correspondentes estrangeiros e bares. A deposição da monarquia trouxe consigo a limpeza dos lupanares e a instalação do regime comunista.

Hoje em dia faz-se sentir em larga escala a influência chinesa, em particular na construção civil e na renovação da rede viária. Os traços da presença francesa continuam a ser inúmeros. Nos edifícios oficiais, nas casas privadas que sobreviveram à destruição das guerras, na gastronomia e nas placas dos edifícios públicos está sempre presente.

Ia com a ideia de fazer uma visita ao Museu Nacional, que tinha indicação de estar num edifício colonial e rodeado de magnólias. Apesar de me terem dito que seria uma espécie de museu da revolução fiquei com curiosidade, não satisfeita em virtude de ter mudado de instalações e das novas ainda estarem encerradas.

Em matéria de edifícios oficiais e monumentos públicos continua a ser manifesto o desleixo e desinteresse de quem lá está a vender bilhetes, aliás típico de sociedades em que é predominante o dirigismo “controleiro” de Estado. Até no famoso Arco do Triunfo, os objectos à venda, que dir-se-ia saídos da revolução chinesa de 1949 ou da antiga RDA, a imagem dos funcionários sonolentos dormitando sobre as bancadas de produtos típicos da região, não manifestando qualquer incómodo pela presença de turistas e viajantes e sem manifestarem interesse na promoção e venda dos muitos produtos, são reveladores da paragem no tempo. Reparei, inclusivamente, por mero acaso, no caminho entre o Palácio Presidencial e o referido monumento, ex-libris da cidade, que havia um centro comercial a fazer-me lembrar as lojas do povo e armazéns populares que encontrei na China quando aí estive pela primeira vez há mais de 30 anos e onde raramente conseguia comprar alguma coisa que não fosse fancaria.

thumb_P1080478_1024.jpg

Porém, este estado de coisas convive aparentemente bem com os muitos automóveis das gamas média e alta da Lexus, Toyota, Mazda, BMW, Mercedes e Porsche. Houve mesmo um Rolls Royce de vidros fumados que vi circular por Vienciana, fazendo-me lembrar o que também encontrei há tempos no Camboja. Por comparação com o Vietname, que é o maior e mais poderoso país da região que foi colonizado pelos franceses, há mais excessos e diferenças mais chocantes no Laos e no Camboja, até porque estes países são mais pequenos, mais pobres e estão mais atrasados (pelos nossos padrões).

thumb_P1080591_1024.jpg

Algumas alamedas largas ao estilo francês, uma mão cheia de bons restaurantes, por vezes com preços disparatadamente elevados para o nível de vida local, como os recomendados L´Adresse de Tinay ou o Pimentón, este com óptima carne argentina, excelentes tapas e bom vinho, mas a preços superiores aos de Lisboa ou de steakhouses de Banguecoque, e não obstante cheio de expatriados e visitantes coreanos, japoneses, na maioria mulheres jovens e casais de namorados, e singapurenses, conferem à cidade um ambiente ao mesmo tempo de um cosmopolitismo estranho e acolhedor.

O meu contacto local acabou por não se despachar a tempo de jantar connosco e muita coisa ficou por esclarecer. Fiquei com a impressão de que há muito investimento estrangeiro a chegar. Da Europa e também da América do Sul, que discute a primazia com chineses, franceses, canadianos e empresários de outros países da região, em especial vietnamitas. No sector bancário e nos anúncios de algumas sociedades isso é evidente. O jogo poderá ter alguma influência nisto mas aquela mistura de sósias de Donald Trump com calças aos quadrados, vendedores de torneiras alemãs de primeira linha, tipos com ar de “agentes semi-secretos” franceses e encarregados de obras de bigode farfalhudo do Leste europeu, acompanhados de tailandesas e laocianas minúsculas em restaurantes franceses, fez-me recuar algumas décadas e a momentos vividos há muitos anos em Manila ou Saigão (Ho Chi Min).

20180404_114800.jpg

O Wat Si Muang, o Patuxai (Arco do Triunfo) e Pha Tat Luang, o mais importante símbolo do Budismo e da soberania laociana, bem como o That Dam, situado muito próximo da antiga Embaixada dos EUA e cujo ouro da cúpula terá sido pilhado pelos siameses no início do século XIX, ou, ainda, o Buddha Park, mas este com algumas reservas devido aos pouco mais de 30km do centro da cidade e ao facto de ser de construção recente, valem uma visita.

20180403_170419.jpg

Os templos mais importantes foram reconstruídos com a ajuda externa; outros são de construção nova e de gosto duvidoso, por isso também com pouca história, interesse cultural praticamente nulo e a que se vai por mera curiosidade. O Night Market, junto ao rio, local onde ao final da tarde muitos se juntam para tomarem uma cerveja, namorarem, observarem o pôr-do-sol ou animadas sessões de ginástica, acompanhadas por uma música de dança estridente, é bastante concorrido. Aí é possível comprar quase tudo o que se imagina. De artesanato local, tecidos e panos típicos de algodão e seda de excelente qualidade, a calças “Elvis Strass” e mochilas “Ferari”, bolos ou material informático, há de tudo. Ultimamente surgiram alguns cafés com design inovador e wifi, bom café, pão de muito boa qualidade, belísimos croissants, doçaria francesa e saborosos gelados. O mais conhecido destes todos todos talvez seja o Joma Bakery Café, popular entre os jovens e residentes estrangeiros e que o meu colega laociano desde logo me recomendou.

O regresso a Luang Prabang permitiu-me, aproveitando o tempo soalheiro, descansar mais alguns dias, passear despreocupadamente pelas suas ruas e becos, visitar pequenas indústrias de artesanto local e passear cedinho pelos templos mais antigos. A cerimónia do Tak Bat, ou Alms Giving Cerimony, que também acontece na Tailândia e noutros países da região, em que os monges caminham pelas ruas e vão recebendo as oferendas dos fiéis e transeuntes, tornou-se obrigatória nos roteiros turísticos e tem lugar por volta das 6h. Apesar dos muitos avisos, há quem continue a não perceber a necessidade de respeito pelo ritual, por esse e outros, confundindo-o com uma vulgar exibição para turistas a quem tudo é permitido numa terra de “cafres”.

Volvidos estes dias, preparando-me para regressar, ao fechar a porta do quarto que nos foi destinado na última noite, com o nome de Paul Néis, o médico da Escola de Medicina Naval de Brest que explorou a Indochina e ajudou a delimitar as fronteiras sino-vietnamitas, recebendo a medalha de ouro da Sociedade de Geografia de Paris e a Legião de Honra, não pude deixar de me sentir imensamente grato pelo que estes dias me proporcionaram. E de recordar aquela frase de Mark Twain que Theroux reproduziu (A Arte da Viagem), e que desde há anos, de tão verdadeira, me vem tantas vezes à cabeça: “a viagem é fatal para o preconceito, a intolerância e a estreiteza de espírito (...). Visões largas, sadias e benevolentes de homens e coisas não se podem adquirir vegetando toda a vida num cantinho da Terra”.

Bendito Laos. Que os deuses e os homens o protejam.

20180405_142214.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Sérgio de Almeida Correia

Quarta-feira, 18.04.18

laus (4)

20180401_114450.jpg

Num mundo em que a maior parte de nós vive em urbes descomunais, com o ar altamente poluído, rodeados por gente ruidosa, com pouca paciência e afligida por imensos problemas, uma das poucas escapatórias para alguns momentos de paz e sossego é o contacto com a natureza. A realização de passeios em grandes espaços, respirando um ar tão puro quanto possível, observando a vida de outros seres que connosco partilham este espaço ínfimo do Universo sem interferir no seu quotidiano e respeitando o seu espaço acaba por ser uma actividade profundamente recompensadora e até certo ponto económica pelo relativo baixo custo face aos benefícios proporcionados.

20180401_131341.jpg

Creio que a maioria das pessoas que viaja pelo Laos, para além de dedicar atenção à cultura local, à visita de monumentos, alguns (poucos e pobres) museus, e aos múltiplos templos, vai em busca da paz e do silêncio que as montanhas e os seus rios proporcionam. Há, também, quem se dedique a passeios em veículos todo-o-terreno, de jipe, de mota e de bicicleta, também de elefante, que é uma outra espécie de 4x4 e com os quais há quem organize as coisas de maneira a que se tome banho com os paquidermes, ou de caiaque. Mas mas para mim os melhores momentos, em qualquer local, acabam por ser os vividos por cima ou debaixo de água e em longas caminhadas a pé, embrenhado no meio do verde e desfrutando de vistas magníficas, com tempo para parar, sentir que mergulho os meus olhos e todo o meu corpo nessa, por vezes, pacífica e silenciosa imensidão de espaços feitos de dias que de longos se fazem curtos e de onde saímos sempre com saudade e com a esperança de que se repetirão em breve.

20180401_133820.jpg

Não podendo ir a Vang Vieng e Savannakhet ou à procura dos tigres no Parque Nacional de Nam Et-Phou, um espaço de 420.000 hectares onde é possível ver os últimos exemplares da espécie, cingi-me a algumas voltas nas proximidades de Luang Prabang e de Vienciana. Os passeios e cruzeiros no Mekong e no Nham Khan, de que já aqui dei conta, são ideais para se ver a vida no rio e nas suas margens, havendo hoje uma oferta relativamente ampla quanto a esta matéria e a preços muito razoáveis. Cerca de 20 USD por um passeio no rio para duas pessoas durante cerca de 3 horas pareceu-me francamente acessível, embora esse valor seja uma fortuna para os padrões locais e eu também veja no que me foi cobrado uma pequena contribuição, que dou com gosto, para o desenvolvimento do país.

Um conselho recorrente e que convém ter sempre presente: o Laos continua a ser um dos países mais minados do mundo e onde o trabalho de limpeza continua muito atrasado devido à escassez de meios. Fora dos centros mais turísticos as pessoas não deverão afastar-se dos caminhos delimitados para evitarem acidentes.

20180401_120243.jpg

Nas cercanias de Luang Prabang as deslocações são fáceis, mas para quem chega e tem pouca informação é preferível contactar um dos muitos operadores locais. Os preços variam e nem sempre, ao contrário do que acontece noutros locais, as ofertas dos estabelecimentos hoteleiros são as mais caras. Em duas ocasiões, nos hotéis onde pernoitei, vi preços mais baratos para o aluguer de veículos com motorista do que em agências de rua, embora haja prospectos dos operadores mais importantes que se repetem e surgem em todo o lado. Convém ter em atenção que há períodos do ano em que os preços sobem, como entre Dezembro e Março, melhor altura para se visitar o país, ou agora entre a segunda e a terceira semana de Abril por ocasião das celebrações do Ano Novo. O serviço prestado é em regra sério e profissional, o que é completado pela afabilidade e gentileza do povo.

20180401_114831.jpg

Há grutas, muitas com imagens de budas, quintas, algumas dedicadas à recuperação de animais, e num dos locais mais visitados do país, nas famosas cascatas de Kuang Si* – cujas águas ganham diferentes tonalidades, predominantemente turquesa e verde-esmeralda, em razão dos minerais que transportam e onde muitos aproveitam para se banharem –, dei com um centro de recuperação e protecção de ursos. De manhã tive dificuldade em localizá-los, mas à tarde, fazendo eles a sua sesta, deitados em pequenas plataformas, esteiras de baloiço ou brincando entre si, foi possível observá-los.

20180401_120340.jpg

Em redor das cascatas existem percursos bem assinalados, havendo a possibilidade de se subir pelo caminho talhado na montanha até um pequeno lago que dá acesso à sua nascente. Convém levar calçado e roupa adequados. Por isso mesmo também existem, logo nas proximidades dos primeiros lagos, uns balneários rudimentares em madeira apenas para que seja possível mudar de indumentária.

 

20180401_104819.jpg

O caminho até Kuang Si é feito por estreitas e pouco sinuosas estradas, alcatroadas, o que é uma bênção pois que noutros locais o pó era tanto e tão fino que se entranhava em todo o lado, nas narinas, na garganta, nos olhos e nos equipamentos electrónicos, o que ao fim de algumas horas se pode tornar num verdadeiro pesadelo.

Fui aconselhado a fazer essa jornada depois das 11 horas, visto que o tempo estava fresco e de maneira a apanhar o calor do sol quando chegasse lá acima por volta das 12:30. Essa é única maneira de ver a luz penetrar nalguns troços da floresta onde as árvores crescem desmesuradamente e é possível olhar para os bambus que se erguem para o céu como se fossem sequóias.

  

* Também é possível ir às cascatas de Tad Sae, cujo acesso é feito de barco, mas pelo que me disseram estas são menos espectaculares e na época seca têm pouca água.

thumb_P1080369_1024.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Sérgio de Almeida Correia

Terça-feira, 17.04.18

misérias

Não, a questão não é apenas a de saber se é legal ou não. É de outra ordem, mas não vou perder mais tempo a repeti-lo. 

E não pode ser colocada nos termos em que ele o faz. Desta forma, está-se apenas a tentar escamotear, sem sucesso, a questão principal. Além de que é perfeitamente irrelevante para o que está em causa que nas duas últimas deslocações o custo tenha sido inferior ao que está fixado por viagem ou que tenha viajado em classe económica.

O problema, como qualquer cidadão de boa fé e minimamente inteligente perceberá, é outro. É o de saber se os subsídios são cumuláveis e se mesmo não se esgotando o valor atribuído para as viagens o deputado tem o direito a encher o bolso com a diferença não utilizada. Isto é, para que todos percebam, com o diferencial do dinheiro que todos os contribuintes deram para uma função muito específica. 

Mesmo que fosse legal, e eu considero que não é, seria sempre ética e moralmente discutível aos olhos de todos que embolsassem a diferença. Isto deveria ser o bastante para nem sequer se atreverem a pedir o parecer. 

Lamento que um indivíduo na posição dele e com as suas responsabilidades não tenha querido compreendê-lo, dando logo o exemplo, e em vez disso tente dar a volta ao prego. Como se as pessoas fossem estúpidas.

Feio, muito feio. Mesmo para quem vê de longe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Sérgio de Almeida Correia

Domingo, 15.04.18

laus (3)

Luang Prabang 3003 2018 thumb_P1080291_1024.jpg

E por que razão estar em silêncio na companhia do outro haverá de ser sempre um sinal de aridez e de distância?” – Claudio Magris, Instântaneos

 

Ontem, quando abordei o pequeno-almoço, sem nada planeado, que é uma vantagem quando não se depende da programação dos guias, caía uma chuva miudinha que obrigou a que as espreguiçadeiras de madeira junto à piscina fossem todas cobertas com um oleado. Com o avançar da manhã a chuva tornou-se mais intensa. Aproveitei para ler mais alguma coisa, pensar no que iríamos fazer e pedir os jornais do país.20180331_124655.jpg

A leitura diária da imprensa dos países e cidades por onde passo é incontornável. Normalmente procuro obter os dois ou três jornais mais importantes para lhes tomar o pulso. Mesmo em locais onde a liberdade de imprensa é controlada, ainda que de formas veladas, e a influência dos partidos de governo e/ou dos militares é permanente, normalmente encontram-se nichos de informação e opinião livre. Pelo menos até que os encerrem, como aconteceu há tempos com o magnífico Cambodia Daily, cujo lema era “All the news without fear or favour”, e que ao fim de mais de duas décadas de publicação ininterrupta o ex-khmer vermelho de Phnom Penh reciclado para a democracia, mas a quem rapidamente estalou o verniz, mandou encerrar. Na Tailândia não perdoo a leitura do Bangkok Times, um jornal a todos os títulos magnífico e que aquando da alteração das leis eleitorais e dos partidos, em Dezembro passado, quando por lá andei, publicou diariamente notícias e artigos de opinião, esclarecendo em termos claros e objectivos as manobras que estavam a ser preparadas com vista às próximas eleições e qual o alcance das modificações que os militares pretendiam introduzir. Foram peças de jornalismo de antologia, razão pela qual, para desespero da minha mulher, guardei os vários exemplares, juntando a muito mais que vou acumulando de diversos países. O The Nation é outro interessante jornal tailandês. No Laos entregaram-me o Vientiane Times, em língua inglesa, e rapidamente percebi que aquilo não passava de uma folha panfletária de elogio ao Governo e às suas políticas visando a captação de investimento estrangeiro, pelo que a leitura da imprensa ficou arrumada por uns dias.

Luang Prabang 3003 2018thumb_P1080282_1024.jpg

Quando a chuva parou resolvemos dar uma volta pela cidade e aproveitámos para visitar o antigo Palácio Real, transformado em museu, e subir ao topo do monte Phu Si.

20180331_141854.jpg

O Palácio tem um horário de visita estranhíssimo. Abre às 13:30 para encerrar às 17:00. Os sapatos ficam à porta. E não se permite a recolha de fotografias no seu interior. Vá-se lá saber porquê, mas é coisa que não estranho em países governados por castas para as quais tudo deve ser secreto e constitui segredo de estado. Como se lá houvesse algum tesouro transcendente. Construído em 1904, foi residência do Rei Sisavang Vong, cuja figura surge imponente logo à entrada dos jardins de acesso. Seria deposto em 1975 pelo Pathet Lao, só que nessa altura já ali não residia. Os quartos têm uma decoração austera mas com gosto, tendo eu notado as belas camas de madeiras nobres dos quartos do monarca e da sua mulher, o espaço e as vistas de alguns aposentos para o Mekong. 

thumb_P1080340_1024.jpg

Há vitrines com trajes tradicionais usados pela família real, porcelanas de Limoges, condecorações e ofertas de países estrangeiros. No anexo fica a garagem onde estão os carros usados pelo Rei, mas que também não se podem fotografar (dois Lincoln Continental da década de 60, um Edesel Citation de 1958 e um Citröen igual ao que ficou no texto anterior. Tanto no Palácio como nos muitos templos que visitei a tarifa é normalmente de 10 ou 20 mil Lao kips (1USD equivale a cerca de 8.260 Lao kips), havendo um ou outro local em que são cobrados 5.000.

thumb_P1080320_1024.jpg

O Monte Phu Si fica do lado oposto ao Palácio Real, constituindo um dos pontos de romagem da cidade, depois de subidos os mais de 300 degraus que nos conduzem ao That Chomsi, um stupa com 24 metros e uma cobertura dourada erguido em 1804. Em dias claros a vista que daí se alcança abrange toda a cidade e os diversos braços dos rios (o Mekong a norte, o Khan a sul e a leste), assim como as montanhas circundantes, parecendo que a zona central da cidade forma como que uma península entrando pelos rios e vigiada pela colinas.

thumb_P1080346_1024.jpg

Vaguear sem sentido pelas cidades a que chego, sentindo o seu pulsar, olhando apenas para o movimento e para as pessoas, tomando um café aqui e ali, quando possível entabulando diálogo com um ou outro residente local para melhor me aperceber da realidade onde estou, das suas preocupações e anseios, é uma das actividades a que com gosto me dedico. Tenho conhecido gente interessantíssima, fugindo à informação turística habitual, inteirando-me de outras realidades que não vêm nos roteiros turísticos nem fazem parte das preocupações dos guias profissionais.

thumb_P1080391_1024.jpgLuang Prabang é um óptimo local para passeios no Mekong, visitar quintas e centros de conservação da natureza, fazer passeios a pé, de caiaque, de jipe ou de elefante, mas estes últimos não são da minha predilecção. Os animais são para estar em liberdade, na natureza onde pertencem, tranquilos e fazendo a sua vida, e não para sessões de “selfies” em comícios de megafone com hordas de excursionistas.

thumb_P1080418_1024.jpg

Como o tempo tivesse entretanto melhorado, e sem saber o que os dias seguintes me reservariam, aproveitei para dar um passeio no rio, ao final da tarde. Confesso que esse foi um dos momentos mais fantásticos que me foi proporcionado.

thumb_P1080410_1024.jpg

Numa embarcação pequena foi possível subir e descer os seus meandros, observar a cidade de outros ângulos, bem como a vida nas suas margens, com os pescadores na sua rotina, lançando e recolhendo redes, enfim, desfrutar de um belíssimo final de tarde, vendo o Sol esconder-se entre as montanhas enquanto nós vagarosamente o procurávamos, embalados pelo silêncio e uma música suave que o capitão achou por bem colocar no ar enquanto nos oferecia uns magníficos mojitos. Majestosos, o Mekong e o Khan resolveram associar-se ao momento. Quase parados arrastaram-nos dolentemente por mais uma curva, depois por mais uma reentrância, contornando montanhas, seguindo a passarada, até o dourado das cúpulas dos stupa desaparecer com o cair da noite e nós regressarmos para o jantar no final de mais um dia de silêncio, de paz, de imersão na outra parte de nós.

thumb_P1080437_1024.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Sérgio de Almeida Correia

Sábado, 14.04.18

laus (2)

thumb_P1080316_1024.jpg

A cidade é habitada por 55000 almas das cerca de 400.000, divididas por oito grupos étnicos, que compõem a província de Louangphrabang, na região central do norte do país. As duas maiores etnias são os Khmu (44%) e os Hmong (16%).

Conhecida como "a jóia do Laos", é hoje muito referida pela sua arquitectura urbana, que cruza a tradicional com a colonial dos séculos XIX e XX; também pela arquitectura de alguns dos seus templos e pela belíssima natureza que a rodeia e em que se insere.

 

20180331_181938.jpg

As portadas em madeira pintada, os estores de palhinha, os cadeirões de madeira nas varandas fizeram-me lembrar outras latitudes.

A maioria dos hotéis e alojamentos disponibiliza bicicletas que permitem aos viajantes deslocarem-se livremente pelas estreitas ruas da cidade e as estradas marginais junto aos rios, parando onde muito bem entendem para poderem visitar os locais de maior interesse e gozarem da beleza da paisagem. Mas a cidade também se faz bem a pé, desde que não esteja demasiado calor ou a chover. Há, ainda, sempre, a oferta de inúmeros "tuktuks", normalmente muito lentos e barulhentos, e a possibilidade para quem gosta de andar de cabelos ao vento de alugar um motociclo, pois há várias lojas que promovem esse serviço.

20180331_174144.jpg

A oferta hoteleira é vasta e independentemente da classificação, ou do número de estrelas do estabelecimento, nos vários locais onde estive pude notar a excelente limpeza. E confesso que fiquei admirado. Complemento esta observação com uma outra decorrente do facto de que durante os vários dias em que andei quer por Luang Prabang, quer, depois, pela sua capital e região circundante, não vi baratas nem ratos. O lixo sempre devidamente depositado nos locais próprios ou à beira das ruas aguardando a recolha em sacos fechados. Na capital, Vienciana (Vientiane), vi as ruas serem varridas e lavadas, o que noutras regiões e cidades bem mais ricas não acontece. Esta realidade não ilude, porém, uma outra, bastante mais grave, que não é exclusiva do Laos, mas que também verifiquei na Cambodja, no Vietname e noutros países asiáticos, que é a poluição de rios, lagos e zonas costeiras, com inúmeras embalagens de plástico, esferovite, madeiras e latas ferrugentas de alumínio, sinal do muito que ainda há a fazer nessa matéria.

20180402_140920.jpg

Um elemento marcante da paisagem urbana e rural são as permanentes manifestações de nacionalismo, representadas pela colocação das bandeiras do país na soleira das casas particulares, de estabelecimentos comerciais e de edifícios oficiais, normalmente com a bandeira do Partido Comunista no lado oposto, apesar de quanto a esta última com alguma indiferença quanto à posição da foice e do martelo tantas foram as içadas ao contrário.

thumb_P1080626_1024.jpg

A este propósito referirei que um dado de que rapidamente me apercebi foi o do peso da burocracia de Estado. Da verificação de passaportes e emissão de vistos à entrada, até ao controlo daqueles à saída, o trabalho que podia ser feito por um funcionário é feito por dois. Um abria o passaporte, o outro ao lado carimbava. A quantidade de edifícios, muitas vezes do tipo moradias com um jardim murado, com placas à entrada do tipo “Ministério X, Departamento Y”, em caracteres locais e em francês é inacreditável. O cenário repete-se em quase todo o lado e área da administração pública. Muitos desses edifícios estão vazios, havendo alguns de dimensões consideráveis. Lembro-me de ter visto um destes, talvez a uns 30 quilómetros de Vienciana, próximo da Ponte da Amizade, que é um dos pontos de passagem para a Tailândia através do Mekong, com a indicação de ser uma Faculdade de Ciências Médicas, completamente às moscas. Também em estações de correios, quase todas as que vi, ao estilo e com indicações em francês, e numa biblioteca me pareceu haver gente a mais, desocupada e com pouca alegria no trabalho, contrastando com os rostos sorridentes, ainda que por razões compreensíveis, de outros locais por onde passei.

20180405_155016.jpg

Todo o país, o que é comum aos outros países daquela região, tem uma vasta e muito agradável oferta gastronómica qualquer que seja a dimensão da bolsa. Por vezes com preços ridiculamente baixos.

20180405_161431.jpg

Para lá do arroz, das sopas e das massas, há imensos vegetais, de excelente qualidade, alguns deles desconhecidos para a maioria dos europeus e para os quais não encontrei traduções. A fruta predominantemente tropical é abundante, extremamente saborosa, em especial quanto a papaias, mangas — dulcíssimas, sem fios —, ananases, mas também as laranjas e suas variantes são óptimas. O peixe é quase todo de rio, mas branco e saboroso sem que se possa comparar com o das nossas águas atlânticas, havendo muitos pratos de galinha e pato, carne de porco, tofu e camarão. A carne de bovídeos em regra é de búfalo, mas também existe de vaca importada. Os caris, onde se regista a influência tailandesa nas suas diversas alternativas, são bons e generosos, assim como as sopas.

20180405_213104.jpg

A influência da cozinha francesa encontra-se muito presente, tanto naquelas ementas indefinidas a que alguns chamam de “internacional” e onde se encontra de tudo, como em restaurantes e bistrots cujas denominações muitas vezes revelam a sua herança colonial. Não será por isso de estranhar que haja muita cozinha de fusão e que em matéria de sobremesas se encontre uma grande profusão de crepes, de óptimas mousses de chocolate e de gelados e sorvetes artesanais. Os de coco e lima, com bocadinhos dos ditos, são soberbos. Luang Prabang é, aliás, conhecida pela qualidade da sua doçaria. No mercado nocturno há bancas só de bolos e doces, sempre fresquíssimos e de sabor irrepreensível. Os brownies são dos genuínos, baixinhos, quase prensados porque descem ao sair do forno, de sabor intenso, com um chocolate que se deixa arrastar pela boca, de tal forma que por vezes parece quase caramelizado. Nada dessas imitações que hoje em dia se encontram em muitos restaurantes portugueses com pretensões a finos.

20180331_170846.jpg

Mesmo a comida de rua, à qual vi muitos turistas jovens e menos jovens recorrer, se apresenta em bancas e carrinhos limpíssimos, com bom aspecto. Curiosamente, num país onde a primeira recomendação é para não se beber água da rede pública, a higiene das bancas de comida e das cozinhas dos restaurantes não deixa de ser notável. Muitos destes oferecem cursos de culinária tradicional laociana. Nalguns tive dificuldade em perceber qual dos negócios seria o principal, se o restaurante se a escola.

20180331_182330.jpgRegisto, igualmente, os óptimos batidos de fruta, de toda a variedade e diferentes misturas. A cerveja mais conhecida é a Beerlao nas suas três variedades, encontrando-se facilmente cervejas de outras origens. Há mesmo bares que anunciam cervejas artesanais belgas e francesas. Há imensos chás, café para os bons apreciadores não falta, assim como o vinho, cujo preço é bem menos taxado do que nos vizinhos da Tailândia e do Vietname, e bons queijos franceses.

thumb_P1080336_1024.jpg

 O preço relativamente económico do álcool, se comparado com outros países, talvez justifique a profusão de cafés, bares e outros espaços de socialização, na sua maioria aprazíveis. Para além do Governor’s Grill and Bar, no Sofitel, um pouco carote (caríssimo para os padrões locais) e afastado do centro da cidade, mas a merecer uma visita, com uma boa biblioteca (para bar), recomendo o Chez Matt, o Dexter (há um em Banguecoque do mesmo dono, com um bom gin tónico) ou as esplanadas da SaSa Cruises, do Apsara e do Tamarind, estas duas do lado do rio Nham Kan, e ainda a do Utopia, com a vista mais fabulosa deste rio, aconselhável para os saudosos do Woodstock, da geração hippie e do Maio de 68. Também me falaram do Bar 525 e do Chez Matt nos quais não estive.

20180331_172432.jpg

Restaurantes agradáveis não faltam, muitos com pequenas bibliotecas e esplanadas com vistas magníficas para o Mekong. Todos com wifi. O Tangor, que é explorado por franceses, apresenta comida de fusão e paredes bem decoradas. Um dos proprietários é uma francesa com ligações ao Algarve. A comida é boa, tem uma óptima esplanada, paredes pintadas com mapas da Indochina e desenhos de Corto Maltese, mas se tiver o azar de ficar numa das mesas para o interior do restaurante corre o risco de sair de lá a cheirar a comida. L´Elephant Vert é uma opção vegetariana. Para quem gosta de comida italiana o La Rosa pareceu-me simpático, numa rua tranquila e com esplanada. Há óptimas padarias onde se podem tomar bons “mata-bichos”, com pão de excepcional qualidade, uma delas escandinava, próximo do Hotel 3 Nagas. Quem ficar neste não tem com que se preocupar porque o pequeno-almoço normalmente está incluído e toma-se do outro lado da Shakkalin Road, no anexo, junto a um dos únicos dois Citröen de 1953 (um pertence ao Hotel, o outro está na garagem do Palácio Real e era pertença do Rei). Há, para além deste, outros clássicos espalhados pela cidade, todos bem restaurados e devidamente conservados, tanto quanto me apercebi constituindo propriedade de hotéis.

20180402_131835.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Sérgio de Almeida Correia

Sexta-feira, 13.04.18

saga

20180412_140442.jpg

Agora que foi divulgado mais um relatório do Comissário Contra a Corrupção, que em regra responde pelo acrónimo "CCAC", convém recordar a saga dos parquímetros, com tendência para se agravar e infernizar a vida dos cidadãos.

Dos anteriores havia a ideia de que funcionavam bem embora muitas vezes fossem uma chatice; por vezes, uma chatice necessária. Entretanto, resolveram substituí-los e e confesso que continuo sem alcançar uma razão plausível para tal. Gastou-se tempo e dinheiro na mudança, presumo que também na escolha do fornecedor e nas obras, e multiplicaram-se os incómodos, visto que estes novos ocupantes do espaço urbano vieram inclusivamente invadir espaços onde antes a sua presença não era notada e não fazia qualquer falta.

Ontem tocou-me a mim.

Numa artéria principal da Taipa, Rua de Seng Tou, bem próximo da PSP, por volta das 13:40, estacionei o meu carro no único lugar disponível. Dirigi-me à maquineta para pagar e quando lá cheguei duas senhoras informaram-me de que estava avariada. Sem qualquer indicação, e a uma hora em que normalmente há sempre alguém que em vez de andar atrás dos bandidos anda a multar os veículos estacionados, arrisquei introduzir uma moeda pela ranhura. A moeda ficou lá dentro, o número correspondente ao lugar de estacionamento continuava com a indicação "expirado" e a seguir piscou, por breves segundos, a menção "coin jam".

Quinze minutos depois, estando eu de plantão ao parquímetro, aparece-me um tipo num motociclo, que rapidamente pára na via pública, em plena faixa de circulação, portanto, mal estacionado, e vai abrir a caixinha. Havia um monte de moedas acumulado do lado de dentro da ranhura, talvez umas quinze ou vinte. Com esforço, o sujeito liberta as moedas, fecha a portinhola e gesticula no sentido de me fazer perceber que o problema estava solucionado. Perguntou-me quantas das moedas que lá estavam eram minhas e pediu-me que lhe indicasse qual o meu carro. A seguir marcou o número do meu lugar, introduziu uma nova moeda e de imediato repetiu-se a indicação "coin jam" no visor. Só que naquele momento era a única moeda lá dentro.

Não perdi mais tempo. Não precisava. A excelência do que os "talentos" ao serviço da RAEM continua a fazer está bem exemplificada nesta situação. Infelizmente não é a primeira naquela rua, nem nas vizinhas, nem no estacionamento contíguo ao Parque das Merendas de Coloane por onde normalmente acedo aos trilhos.

Por otod o lado, os aceleras da PSP continuam a rondar, como se fossem uns verdadeiros perdigueiros, farejando avidamente todos os parquímetros, por onde quer que passem, a qualquer hora do dia ou da noite.

Se eu ontem não tivesse perdido o meu tempo e ficado à espera do encarregado dos parquímetros, assim precavendo a eventualidade de ser multado tendo a razão do meu lado, não poderia agora aqui trazer-vos o relato da situação e as fotografias que obtive no local.

Esta é uma pequena amostra. O ex-director dos Serviços de Meteorologia de Macau vai ficar sem pensão de reforma, mas há muitos mais, e com mais responsabilidades do que ele, que já deviam ter sido demitidos compulsivamente. Por má fé e manifesta incompetência.

20180412_140948.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Sérgio de Almeida Correia

Quarta-feira, 11.04.18

laus* (1)

20180405_125808.jpg

Não se tratava de cumprir nenhuma promessa, embora de há muito surgisse de tempos a tempos a hipótese de ir até lá. Estava fora de causa fazê-lo durante a época das chuvas, ou numa altura em que as altas temperaturas tornassem demasiado tormentosa as jornadas. A oportunidade surgiu e havia que agarrá-la antes que se perdesse no ramerrão quotidiano. Em matéria de viagens só lamento as que ainda não fiz. E a perspectiva de encarar uma outra face da Indochina, de cujas viagens guardo as melhores memórias desde há mais de um quartel, levou-me a rapidamente agarrar em meia dúzia de peças de roupa e fazer-me ao caminho.

Sem voo directo vi-me obrigado a pernoitar em Banguecoque, recuperando os cheiros e sabores de há algumas semanas, antes de pela primeira vez começar a vislumbrar a generosa cordilheira que circunda Luang Prabang, pequena cidade do norte do Laos, cujos primeiros habitantes se terão estabelecido por volta de 8 mil anos antes de Cristo, e que atravessou os impérios Nanzhao, Khmer e Mongol, antes de servir entre 1354 e 1560 como capital do primeiro reino do Laos, o Lan Xang.

O seu nome deriva da aceitação por parte do Rei Visoun, que fora anteriormente governador de Vienciana, da oferta por parte da monarquia Khmer da imagem de Pha Bang, o que levou a que a cidade passasse a ser denominada como Grande (Luang) Prabang, do nome do Buda.

Património Mundial da Humanidade desde 1995, a cidade fica na confluência de dois rios, o Mekong e o Khan, sendo profundamente marcada pelas cores açafrão e laranja forte dos trajes dos seus monges.

Mesmo depois da transferência da capital para sul, a cidade continuou a ser considerada fonte do poder monárquico, acabando por aí se estabelecer um reino independente após a morte do Rei Suriya Vongsa em 1695.

Durante o século XIX atravessou vicissitudes várias, sujeita como esteve à influência dos vizinhos do Sião, do Vietname e da Birmânia e aos bandidos e mercenários do chamado Exército da Bandeira Negra, que destruíram inúmeras figuras de Buda, templos e documentos históricos, até se integrar na Indochina francesa, como parte do império colonial francês do Sudeste Asiático, formado quando após a queda de Jules Ferry a China reconhece a tutela sobre as regiões de An Nam (grafado como Annam, em francês) e Tonquim (Tonkin), garantindo um protectorado que englobaria também os actuais Camboja e Laos.

A influência francesa, bem presente na arquitectura e na culinária, misturada com a heranças laociana, birmanesa, chinesa e tailandesa, os múltiplos templos e locais de culto, conferiu ao local uma aura única e historicamente absolutamente inconfundível, capaz de transmitir serenidade e uma extraordinária paz interior da qual já havia recebido testemunho por parte de quem por lá passou antes de mim.

A abordagem ao aeroporto fez-me recordar da minha chegada, há pouco mais de trinta anos, a Catmandu (ou Kathmandu, Nepal), devido à neblina e à proximidade das colinas montanhosas à medida que nos acercávamos da pista.

20180331_155659.jpg

A cidade, logo a partir das primeiras imagens obtidas do ar, é uma extensa mancha de casario disperso, cúpulas douradas, fumo de pequenas cozinhas ou de templos que se elevam no ar, rompendo fulgurantes o verde que se perde de vista nos sinuosos meandros do Mekong e do Khan, enquanto estes se passeiam entre montanhas, como que a acompanharem o Sol que se esconde por detrás delas.

Cumpridas as formalidades de obtenção do visto (o Laos ainda não possui um sistema de pré-emissão electrónica, ao contrário do que acontece com o Camboja e o Vietname), mais rápidas do que o estava à espera e a troco de USD 36, apanhámos um táxi, que se revelou a final uma pequena carrinha albergando mais meia dúzia de viajantes, entre os quais jovens estudantes portugueses de Erasmus, que certamente para não serem confundidos, digo eu, com os vulgares turistas nacionais, conversavam entre si em italiano até um deles referir em português que não se lembrava do nome de um verbo (coisas...).

Ao longo do percurso de distribuição dos passageiros, feito já com a luz de fim de tarde a desaparecer, apercebi-me do trânsito feito de motociclos, pequenas carrinhas e bicicletas, da ausência de buzinas e da praticamente inexistente iluminação pública pois que o que marcava a maioria das ruas por onde íamos passando eram os faróis dos veículos que circulavam, os candeeiros e pequenos pontos de luz dos inúmeros restaurantes, albergues (moderna e pretensiosamente ditos hostels) e minúsculos hotéis.

20180401_104819.jpg

Foi com uma temperatura amena, sem vento, humidade reduzida e a tradicional saudação feita com uma tímida vénia e as mãos sorrindo em prece ligeiramente abaixo do rosto, que fomos recebidos à chegada, numa recepção ampla, num ambiente perfeitamente colonial, com ventoinhas, cadeiras e sofás baixos, onde pontuavam pequenas estantes com livros lidos de história, viagens e aventuras, alguns quadros com fotografias antigas e caixas militares de granadas e munições fazendo de bases e mesas de apoio, resquícios da violenta guerra civil entre os guerrilheiros comunistas de Pathet Lao e a monarquia deposta em 2 de Dezembro de 1975. Na sequência dos Acordos de Paris nasceria a República Popular Democrática do Laos (deixemos o "popular" e o "democrática" para outra altura). Da guerra ficaram as marcas da violência sem tréguas e os bombardeamentos de 1973, que abriram crateras, destruíram o país, inundando-o de minas e estropiados e ceifando largos milhares de vidas.

Após um jantar tranquilo, embalado pelo correr da água de uma cascata próxima e uma ligeira brisa, numa mesa simples mas confortável, entre o inebriante aroma a lemon grass (capim-limão), a cantilena da bicharada nocturna, os perfumados guardanapos de puro algodão e a limpeza de um serviço tão genuinamente simples, engomado e acolhedor quanto atento, mergulhei no nocturno silêncio da leitura do último livro de Frederic Forsyth e na preparação do dia seguinte. O primeiro de mais uma romagem aos confins do Mékong, ao sorridente calor dos seus povos e às florestas da Indochina.

 

• - Laus, aqui de acordo com a forma monossilábica de Rebelo Gonçalves (Vocabulário da Língua Portuguesa, 1966), também seguida por Manuela Pareira e J. Manuel de Castro Pinho (Prontuário Ortográfico Moderno, Ediçoes ASA, 1988), sem prejuízo de no texto se adoptar a forma dissilábica de Magnus Bergstrom e N. Reis.  

20180405_164335.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Sérgio de Almeida Correia




Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2018

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930



Posts mais comentados