Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


medalhística

por Sérgio de Almeida Correia, em 17.05.19

img_817x460$2019_05_09_20_22_12_353532.jpg

(créditos: Jornal de Negócios/LUSA)

 

Ultimamente, o líder do PSD não tem dito coisas muito acertadas. O Verão está à porta, com ele a silly season, e Rui Rio está a ver se consegue corrigir a mira, desviando-a dos seus pés.

Não me pareceu por isso desajustada a sua sugestão de que, aproveitando-se o facto de se ir equacionar a retirada das condecorações ao figurão Berardo, se aproveitasse o momento para fazer uma pequena limpeza nas Ordens Honoríficas. Não me parecendo viável dar-lhes um banho à mangueirada com creolina, pois isso seria pouco consentâneo com os nossos princípios, poder-se-ia começar por aí.

Quem nas últimas décadas tem escrito o que escrevi sobre a matéria só pode congratular-se com a sugestão de Rio.

E podiam aproveitar a ocasião para também fazerem uma triagem às que foram atribuídas em Macau antes e depois de 1999 a agradecer favores de vária ordem. É que há para aí mais uns figurões – que nunca deviam ter sido condecorados e que só o foram porque os vapores da pataca eram mais fortes do que os do decência – a pedirem insistentemente que lhes retirem as ditas. Por causa do peso, não é por mais nada.

Se então o fizessem no Dez de Junho, em vez de atribuírem mais uns quantos brindes a tipos de duvidosa estirpe, podiam aproveitar para realizar uma sessão solene, com toda a pompa, a anunciar as que foram retiradas. 

Poderia ser que assim o povão aplaudisse a separação do trigo do joio, se reencontrasse com a Chancelaria e, quem sabe, lhe reconhecesse alguma utilidade prática.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:55

sina

por Sérgio de Almeida Correia, em 16.05.19

PHOTO-2019-05-16-00-01-55.jpg

O JTM dá conta, em primeira página, pelo que se depreende ser uma notícia importante, que "Ho Iat Seng adia formalização por causa de obras".

Lendo a notícia fico a saber que se trata da formalização da candidatura do pré-candidato (futuro?) a Chefe do Executivo da RAEM, e que aquela está atrasada por causa das obras. Nem mais. Inicialmente prevista para 20 de Maio, a data da formalização teve de ser alterada para final de Maio ou início de Junho por atrasos das obras do escritório. 

Depois de ter feito o anúncio da sua pré-candidatura em plena Assembleia Legislativa, candidadamente confessando não ter ainda qualquer programa para o cargo que pretende exercer, pode-se dizer que o candidato continua no rumo certo.

Atrasos por razão de obras é o pão nosso de cada dia na RAEM e têm custado muitos milhões ao seu erário. Das obras do Metro Ligeiro à de qualquer beco, sem esquecer o novo Hospital das Ilhas, a Cadeia ou o Terminal Marítimo da Taipa tem sido todo um rol de incumprimentos sem responsáveis conhecidos.

Não é por isso de estranhar que também as obras da sede de candidatura do pré-candidato a Chefe do Executivo estejam atrasadas. Corresponde ao padrão.

Como residente só lamento que o Dr. Ho Iat Seng comece já por não ser capaz de cumprir os calendários que ele próprio para si definiu e deixe transparecer para os cidadãos esta imagem.

E humildemente concluo que, se com o que já vem de trás da condução do processo de suspensão do deputado Sulu Sou e da não renovação dos contratos a dois assessores portugueses da AL, começa assim, com atrasos e adiamentos, numa empreitada tão básica (por ajuste directo, presumo) e com a dimensão do seu próprio escritório (sede) de candidatura; e em relação a uma decisão que deverá ser a mais importante e honrosa da sua vida, a de ser candidato a Chefe do Executivo da RAEM, temo que não fosse por esta amostra que alguém dizia há dias ser ele uma pessoa "altamente competente".

Em todo o caso, uma coisa é certa: se chegando a Chefe do Executivo a sina da RAEM continuar a ser a dos processos mal conduzidos, das desculpas esfarrapadas, das obras e dos atrasos, pelo menos não haverá ninguém a estranhar. Nem aqui nem em Pequim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:57

ralações

por Sérgio de Almeida Correia, em 14.05.19
TASS33281723.jpg(créditos: Anton Novoderzhkin / TASS)

 

In illo tempore, em Moçambique, um médico foi chamado a arbitrar um conflito que, creio, opunha um curandeiro a um régulo num lugarejo remoto. Não falando o dialecto local o clínico recorreu a quem o acompanhava para a tradução. Passados uns bons minutos, durante os quais os intervenientes iam, pensava ele, terçando argumentos enquanto faziam vénias e trocavam sorrisos e gargalhadas, o árbitro interrompeu para perguntar o que já tinham dito. "Até agora nada, doutor, têm estado só a falar", respondeu o tradutor ad hoc.

Vem isto a propósito porque ao chegar a casa liguei a televisão e dei de caras com a conferência de imprensa de Mike Pompeo e Sergei Lavrov, em Sochi.

Pelo que ouvi, praticamente todos os assuntos importantes e que interessam à comunidade internacional foram passados em revista. Venezuela, Síria, Irão, Ucrânia, eleições presidenciais nos EUA, "democracia" na Líbia. Calculo que o ataque de drones na Arábia Saudita também tenha sido ventilado.

Estranhei, apesar de tudo, que não tivessem falado das incidências dos jogos da "Liga Nos", nem do "VAR". Mas o tempo não dá para tudo nos canais internacionais. E lá fora não se podem dar ao luxo de ter um exército de "paineleiros", de todas as formas e feitios, com os penteados, as gravatas e os sotaques mais mirabolantes, durante horas, dias, anos a fio, em múltiplos canais de televisão, falando em futebolês criativo, faça chuva ou faça sol,  gritando e gesticulando, oferecendo-se reciprocamente mimos, não raro desafiando-se para duelos "lá fora", como se fossem Jaime Nogueira Pinto e Ruben de Carvalho a discutirem a crise dos mísseis cubanos. Têm sempre pano para mangas. E audiência, o que é ainda mais espantoso.

De qualquer modo, deu para perceber do encontro em Sochi que a atmosfera foi muito "amigável", de grande respeito mútuo e admiração. Nas palavras do MNE russo foi uma "conversa franca e útil". 

Confesso que não vejo grande diferença entre o que aconteceu no Vale do Limpopo com o conflito que opunha o curandeiro ao régulo e o que, ultimamente, Trump e Xi Jinping dizem de cada vez que se reúnem. "We have a good dialogue with China", diz o estado-unidense. Quando não corre bem não passa de um "we had a little squabble with China". Acontece o mesmo nos encontros com o celerado Kim, da Coreia do Norte, com excepção da parte da conferência de imprensa. Porque há sempre um que amua antes da sobremesa. 

A situação não foi hoje muito diferente no diálogo de Pompeo com Lavrov. Para todos os efeitos, conversa franca e útil, claro.

Os impasses, como as crises, os refugiados, o perigo nuclear, o terrorismo, a catástrofe ambiental, o drama da fome, as epidemias, a miséria moral, a estupidez humana e a ignorância é que são hoje permanentes. E cada vez mais universais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:29

berardices

por Sérgio de Almeida Correia, em 11.05.19

img_797x448$2019_05_10_15_41_55_585970.jpg

(foto daqui, da Sábado)

Apesar de estar muito longe, e de hoje em dia raramente escrever sobre o que se passa na política nacional, não posso deixar de dizer duas palavras sobre o indecoroso espectáculo a que me foi dado assistir pela televisão a propósito da visita de um tal de Joe Berardo a uma comissão parlamentar da Assembleia da República.

Confesso que não é fácil encontrar palavras que descrevam o que ali se passou, mas grotesco será o mínimo.

E tudo acontece na mesma semana em que as revistas Sábado e Visão mostraram aos portugueses como é possível a um conjunto de pseudo-empresários, pseudo-banqueiros, gestores incompetentes e devedores relapsos levarem vidas milionárias, depois de terem derretido milhões em negócios ruinosos à custa da banca nacional, pública e privada, não pagando a dívida que geraram e deixando os prejuízos para os outros.

No entanto, a avaliar pelas vidas que levam, todos se fizeram pagar pela criatividade da sua gestão, enquanto lhes foi possível, sendo certo que os prejuízos estão a ser, e continuarão, a ser pagos pelos zés-ninguém que sustentam a gula da máquina fiscal e dos bancos que temos.

A imagem de gozo de Berardo no Parlamento, onde se fez acompanhar por um advogado que fazia de ponto, e ao qual condescendentemente o presidente da Comissão deixou que fosse falando e segredando as respostas que o seu constituinte deveria dar, ultrapassou todos os limites.

Depois, o estilo sobranceiro do depoente, as interjeições que foi fazendo, a risada alarve, as respostas irónicas a questões sérias, denunciavam o chico-esperto que a democracia, o Estado de Direito e os nossos sistemas jurídico e judicial fomentaram em quarenta e cinco anos de liberdade com o aval do poder político e da elite dos banqueiros nacionais.

Com tudo o que ouvi, continuo sem saber o que foi verdade e o que é mentira, e também já não tenho esperança de algum dia vir a saber.  Sei é que a dislexia não impediu o cavalheiro de sacar milhões, de continuar a fugir às notificações e de agora gozar com o pagode. Deputados incluídos.

Porém, houve algo que retive, para além do facto do cavalheiro não ter dívidas pessoais. O modo como depois de tudo o que aconteceu se permitiu dizer que tentou “ajudar” a banca nacional, mantendo nos dias que correm um padrão de vida incompatível com a escassez de bens que refere possuir, é um insulto a qualquer cidadão trabalhador e cumpridor das suas obrigações.

O presidente da "Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco" (só o nome diz tudo) e os senhores deputados podem não chegar a conclusão alguma. Ninguém estranhará depois da triste figura que fizeram e daquilo que nas suas barbas permitiram que acontecesse.

E até poderemos ter mais uma dúzia de comissões, na linha do que se passou com a avioneta que caiu em Camarate, por exemplo, para investigarem a CGD e as negociatas a que este banco se prestou, para que agora os seus depositantes estejam a pagar o ordenado dos senhores deputados e dos supervisores do Banco de Portugal e, ainda, os prémios que a CGD irá continuar a oferecer aos seus administradores pelas asneiras, a irresponsabilidade e a desfaçatez com que gerem o dinheiro dos outros e impõem comissões bancárias sem que quem governa coloque um travão aos sucessivos insultos.

Não obstante, há uma coisa de que todos temos já a certeza: a de que à sombra da liberdade, da democracia e do Estado de Direito, num país envelhecido e em acelerada regressão demográfica, um poder político estruturalmente mal formado e manipulado por partidos ainda mais sofríveis, promoveu o aparecimento e a reprodução de múltiplos Berardos. De muitos “Joe”. Na banca, nos partidos, nos sindicatos, nas empresas, nas escolas, no futebol, nas autarquias, nas forças armadas, nas universidades, em todo o lado e em todas as instituições. Como se tivéssemos sido invadidos por uma espécie de formiga branca semi-analfabeta, bem falante e bem vestida, alimentada pelos contribuintes e protegida pela classe política, pelos banqueiros e pelo Estado de Direito.

Pena é que em vez de terem alimentado a canalhada que nos roubou não tivessem andado a produzir mel para oferecer a ursos. Fizessem deles comendadores. Como fizeram a tantos outros ursos. Num Dez de Junho. Teria saído muito mais barato, ter-se-ia podido proteger a natureza e haveria a certeza de que depois de saciados, estes ursos, mesmo sendo comendadores, não iriam para o Parlamento arrotar o mel, rir-se na nossa cara e fugir calçada abaixo das notificações dos agentes de execução.

Enfim, o importante agora é garantir que o circo possa continuar. Em directo e a cores. Com os colaterais que o fisco se encarregará de periodicamente sacar a todos nós, indistintamente, residentes e emigrados. Sem um ui. Aos que conseguiram ficar e aos que foram empurrados para fora da sua zona de conforto. E que mesmo fora não escapam ao linchamento fiscal vitalício, continuando a cumprir. Até um dia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:08

míssil

por Sérgio de Almeida Correia, em 09.05.19

É natural que o Chefe do Executivo da RAEM, os senhores do Gabinete de Ligação e o Governo Central não gostem de ver críticas à má governação de Macau, em especial quando aquelas têm origem em residentes chineses ligados ou próximos dos movimentos pró-democráticos, em pessoas da comunidade macaense ou em expatriados portugueses ou de qualquer outra nacionalidade.

Se quanto a estes ainda podem dizer que "são do contra", já o mesmo será mais difícil de afirmar quando os críticos sejam cidadãos chineses ligados às associações tradicionais próximas do Partido Comunista Chinês, cujo patriotismo é sobejamente reconhecido, enaltecido e aplaudido pelo poder político de cá e de lá.

Tornam-se por isso cada vez mais indisfarçáveis os sinais de mal-estar que nos vão chegando, quase diariamente, destes sectores que constituem o grosso da população de Macau e que de há muitos anos a esta parte são os alicerces das políticas oficiais.

Desta vez, e na linha das críticas anteriormente veiculadas pela sua colega de bancada na Assembleia Legislativa, Ella Lei, li no JTM as declarações do deputado, eleito pelo sufrágio directo, Leong Sun Iok. Recorde-se que este deputado integrava as listas da União para o Desenvolvimento (UPD) ligada à Federação das Associações dos Operários de Macau. Povo chinês, portanto, gente patriota que trabalha, que não vive da especulação imobiliária e dos casinos, nem dos cambalachos habituais.  

E que disse Leong Sun Iok?

Apenas que "a sociedade espera que o novo Governo acabe com os maus hábitos, contribuindo com o seu melhor para governar Macau e criando uma nova imagem do Governo”, que a capacidade de governação não conseguiu acompanhar o ritmo do desenvolvimento, dando origem a “vários conflitos e problemas sociais”, sublinhando que "os residentes continuam muito insatisfeitos com a má governação e a falta de integridade", com o desenvolvimento urbano, com o sistema jurídico, com a fiscalização financeira, com a formação de talentos, com a legislação laboral, com a habitação, com o trânsito e a distribuição das receitas". Ou seja, com quase tudo. Notável.

Como se o que disse não fosse já suficiente, ainda se referiu a "actos ilegais" que deram origem a situações de “corrupção, abuso de poder e prevaricação por parte de titulares dos principais cargos e chefias dos serviços públicos”,  para concluir que "a sociedade espera que o novo Governo faça uma revisão e resolva as insuficiências do passado, reforce a aplicação das políticas e resolva os problemas relacionados com a economia e a vida da população, que reforce especialmente a construção de uma cidade íntegra e resolva o problema dos dirigentes que nada fazem ou actuam à toa”.

Eu fico satisfeito por ver isto dito de forma tão clara por um residente de Macau, chinês, patriota aos olhos de Pequim e eleito pelo sufrágio directo no ano em que se celebram 20 anos de integração na RPC. 

As declarações de Leong Sun Iok devem ter feito corar de vergonha o Chefe do Executivo e os senhores do Gabinete de Ligação porque será difícil continuar a tapar a realidade com uma peneira ou acusá-lo, e aos milhares de operários que a federação representa, de anti-patriotismo.

Leong Sun Iok disparou um míssil que deverá servir de aviso a Pequim sobre o que Macau e os seus residentes esperam do próximo Chefe do Executivo. É que se este vier a ser, como tudo indica, o até agora único candidato que se apresentou, estaremos perante mais um tiro no princípio "um país, dois sistemas", embora aquele possa ter o apoio dos acomodados e subservientes da praxe que vêm nele um talento de proporções bíblicas.

Sem alguém com capacidade política (repito para os mal intencionados: política), vontade ou liberdade para mudar o actual estado de coisas e cumprir os desígnios de Pequim em matéria social, sem alguém que esteja suficientemente distante dos lobbies e dos interesses dos baronetes locais que têm (des)governado a RAEM e permitiram que se chegasse ao estado actual de insatisfação geral, será muito difícil mudar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:14

leituras

por Sérgio de Almeida Correia, em 08.05.19

Dois textos chamaram-me a atenção logo pela manhã. Ambos no Macau Daily Times. Jorge Menezes e Richard Whitfield remando na direcção certa. Deixo aqui os links e obrigado a ambos.

"Impartiality is not derived from announcements in law books and rules do not create inherently impartial people.", Jorge Menezes, Criminal trials in Macau: A perplexing experience

"It happened to be raining on the day, and our massively over-capacity, over budget, long delayed Taipa ferry terminal was awash in water from roof leaks! I really hope that all the government officials involved in this disaster of a project were fired and the contracting companies that built it were sued into bankruptcy, but I doubt it.", Richard Whitfield, Macau Matters, A Shenzhen Adventure

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:41

trágico

por Sérgio de Almeida Correia, em 05.05.19

A gente vê o que se está a passar em Portugal, isto é, na Assembleia da República e nos partidos por causa dos professores, e a única conclusão a que se chega é que a tragédia está para durar.

O grau de incompetência da oposição medíocre que temos só é comparável com o grau de irresponsabilidade populista do BE e do PCP e o modo eleiçoeiro como muitas vezes se aprovam resoluções na Assembleia da República com o voto do PS.

Os avanços e recuos infantis de Cristas e do CDS-PP, a errância e falta de sentido de Estado de Rui Rio, a autogestão do acampamento bloquista e o sindicalismo vesgo do PCP e seus satélites não justificam tudo, ou pelo menos não deviam justificar, mas há que saber tirar consequências do que se está a passar.

O primeiro-ministro tem uma boa oportunidade para marcar a diferença, só que antes de fazê-lo seria aconselhável que primeiro pusesse ordem em casa.

E, se não for pedir muito, que aproveite para perder alguns momentos a olhar para a bancada parlamentar do PS antes de começarem a preparar as listas para deputados. A redução do número de emplastros nas listas, e a sua substituição por gente capaz, que não dependa do partido para sobreviver e que pense pela sua cabeça, seria certamente bem acolhida pelo eleitorado que vota PS e pelo país em geral.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:26

câmaras

por Sérgio de Almeida Correia, em 03.05.19

A TDM – Rádio Macau, atenta e a horas, dá-nos conta de que a partir de segunda-feira, 6 de Maio, vão entrar em funcionamento as novas câmaras de detecção de estacionamento ilegal. Diz a PSP que “com esta nova versão conseguimos tirar fotos mais claras e saber melhor a matrícula”. Ora bem.

Eu confesso que não tenho nada contra estas câmaras (tenho contra outras), tanto mais que ainda ontem ao final da tarde, quando saí do Clube Militar, não fui atropelado numa passadeira do Hotel Lisboa por um desses estafermos da corja ao serviço das empresas de junkets por mero acaso.

Todavia, o que me preocupa é que essas câmaras possam vir a servir para autuar um condutor que tem absoluta necessidade de parar para largar um passageiro e/ou umas malas e os locais sinalizados e destinados a esse efeito estão ocupados por outras viaturas, por vezes mesmo da própria PSP, com a rapaziada toda sentada lá dentro, em amena cavaqueira, como já vi junto ao edifício do antigo tribunal ou do IFC.

Por outro lado, convém não confundir "paragem" com "estacionamento".

Mas já que falamos de estacionamento, seria bom que a PSP, em vez de perder o seu tempo percorrendo o NAPE e outros locais a tirar fotografias a parquímetros, por vezes estacionando mal os seus próprios veículos para o poder fazer, também utilizasse essas câmaras para apanhar os tipos que não param nas passadeiras, e os motoristas de táxis que, nas suas barbas, como por exemplo no Hotel Star World, largam passageiros depois da praça onde montes de pessoas aguardam a sua vez, ignorando os locais para esse efeito, para negociarem preços pela janela vinte metros à frente, e circulam impunes com a indicação de que estão livres fazendo de conta que não vêem os insistentes pedidos de paragem. Quando na verdade andam à procura de alguém que lhes pague umas centenas de patacas por um serviço que custa três dezenas.

Ah!, e já agora, convinha que a PSP e o Turismo (e não foi por causa daquele autocarro que resolveu ir beber uma água ao Café da Rosa) tomassem atenção aos autocarros ao serviço das empresas de viagens e turismo.

Continuo a não perceber como é possível autorizar a circulação em Macau de veículos com volante à esquerda, com ar decrépito e altamente poluentes, que encostam na berma enquanto os passageiros saem pelo outro lado directamente para a faixa de rodagem, carregando e descarregando malas e sacos, sujeitando-se às tangentes que os taxistas e as tais carrinhas dos junkets lhes vão fazendo. Ali para os lados do Galaxy, no Cotai, devem estar à espera que um desses loucos limpe meia dúzia de pessoas para começarem a impedir a paragem e multarem essa cambada.

Aproveito para dizer ao Senhor Secretário para a Segurança que se precisar de alguém para dar umas aulas à PSP, dizendo-lhes o que importa ser feito, quando e como para defesa de Macau, da sua imagem, da reputação das suas autoridades e em prol da qualidade de vida e segurança dos seus cidadãos e turistas, estou naturalmente disponível. E não lhe cobro uma pataca. 

59446721_10214063891854936_1971019427675635712_n.j

IMG_2023 2.jpg

59345373_10214063892174944_2697516409969180672_n.j

IMG_2080 1.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:55

registado

por Sérgio de Almeida Correia, em 02.05.19

IMG_2061.PNG

"E até é bom haver aqui em Macau alguma coisa, que é a sabedoria milenar chinesa, com alguma agitação portuguesa.

É bom quando me chegam, de vez em quando, notícias de Macau acerca de como um ou outro português é português, vive inquieto, quer mais e melhor, quer aqui mais ou quer melhor ali, e gostaria de ter uma ideia na Administração, outra ideia na Justiça, outra ideia na Língua, outra ideia na Cultura.

Eu vou lendo tudo, vou lendo tudo, e sabendo tudo.

E eu digo: que bom é haver a sabedoria e a calma chinesa e haver também este acicate desta capacidade imaginativa e de frenesim português." – Marcelo Rebelo de Sousa, Residência Consular, Macau, 1 de Maio de 2019 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:00

integridade

por Sérgio de Almeida Correia, em 30.04.19

HM-30-4-19-1.jpg

Volvidos oito meses sobre a data em que de forma totalmente inusitada lhe foi comunicada, bem como ao seu ilustre colega Paulo Cabral Taipa, a não renovação do seu contrato de trabalho na Assembleia Legislativa de Macau, Paulo Cardinal veio finalmente quebrar o silêncio a que a si próprio se tinha imposto para deixar assentar a poeira, arrumar as ideias e começar a preparar o seu futuro e o dos seus.

Passado o imprescindível período de nojo, no mesmo dia em que o Presidente da República desembarcará em Macau, para um curta visita de cerca de 12 horas, é publicada a entrevista dada pelo insigne jurista e constitucionalista aos Jornais HojeMacau, Macau Daily Times e à TDM – Televisão de Macau (aqui um extracto apresentado no Telejornal de 28/04/2019).

Trata-se de um verdadeiro documento que deverá ser analisado com a devida atenção pelos titulares do poder político que têm a obrigação, indelegável, de fiscalizarem o cumprimento da Declaração Conjunta Luso-Chinesa sobre a Questão de Macau, tratado internacional que vincula Portugal e a República Popular da China, bem como lido à luz da Lei Básica da RAEM, a mini-constituição outorgada por Pequim.

Se dúvidas houvesse sobre a forma vergonhosa como os dois mais antigos e experientes assessores da Assembleia Legislativa de Macau foram afastados, elas ficam agora totalmente dissipadas e na primeira pessoa.

Paulo Cardinal volta a prestar um indiscutível serviço ao Direito de Macau, à RAEM e aos seus residentes, a Portugal e a todos os seus cidadãos, juristas, magistrados, advogados e assessores que aqui laboram, de modo digno, sério e frontal, tal como à R.P.C. e aos que neste país se preocupam com a vigência do "segundo sistema" e a sua imagem internacional.

E fá-lo com a elevação, a dignidade, a transparência e o carácter a que a todos habituou, durante cerca de três décadas, dando-nos mais uma prova de toda a sua grandeza e humildade.

Um exemplo que tem de ficar aqui registado. Porque a integridade dos homens decentes não é negociável.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:02

extramuros

por Sérgio de Almeida Correia, em 29.04.19

BBWjl93.img.jpeg

(foto daqui)

Apresenta-se como um olhar sobre "a China além da China, além das fronteiras físicas, mentais, pessoais, das muralhas do nosso conhecimento. Este é um laboratório escrito e visual que dá voz a quem, como nós, quer contornar obstáculos, sejam eles a língua, a cultura ou a dimensão de um espaço aparentemente inalcançável."

Na altura em que o Presidente da República percorre o novo Império do Meio, conversa com Augusto Santos Silva ao longo da Grande Muralha, se prepara para as selfies de Macau e para celebrar o Primeiro de Maio numa região especial de um país socialista que vinte anos depois de se tornar "patriota" continua sem ter uma lei sindical e de regular o exercício do direito de greve, previstos na sua mini-Constituição, e que, vergonhosamente, continuam a aguardar regulamentação, nada como dar uma vista de olhos por estes dias ao Extramuros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:40

abril

por Sérgio de Almeida Correia, em 25.04.19

Uma revolução faz-se com todos os momentos, também com os menos bons. Alguns fizeram de nós o que somos hoje.

Uma revolução faz-se com gente boa e estafermos.

Com alguns filhos da puta e tolos também (muitos ainda andam por aí a darem-nos cabo da vida).

Depois, a história encarregar-se-á de colocar cada um no seu devido lugar. Sem caganças.

Se for sem sangue melhor. É mais pedagógico porque se prolonga no tempo.

Refina-se, sofre-se, não se apaga.

Transmite-se. Abrila-se todos os anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:37

pragmatismos

por Sérgio de Almeida Correia, em 24.04.19

O sociólogo Hao Zhidong, antigo professor da Universidade de Macau, entretanto jubilado, deu no passado dia 18 de Abril uma interessante entrevista ao semanário Plataforma. Por se tratar de um académico chinês, profundo conhecedor da realidade da RPC, de Macau e do funcionamento dos sistemas e das instituições dos dois lados da Porta do Cerco, as suas declarações adquirem uma dimensão que se proferidas por um ocidental não teriam o mesmo impacto.

As conclusões a que o Prof. Hao Zhidong chegou com o seu estudo sobre a liberdade académica não constituirão novidade quando aponta como um dos factores da sua erosão o fenómeno da “comercialização do ensino superior”.

Trata-se de algo que é tão visível em Macau – em que o simples facto de alguém organizar uma conferência sobre direitos ambientais levando ao título a questão de saber se também se tratam de direitos humanos é susceptível de causar incómodos, não vá isso ter consequências na continuidade dos contratos de trabalho –, como será nos EUA – veja-se a acção do Instituto Confúcio neste país e o último relatório sobre a presença da China no respectivo sistema educativo –, na Austrália, no Canadá ou mesmo em Portugal, muito embora nalgumas instituições a acomodação e a subserviência sejam mais fulgurantes e inversamente proporcionais à vergonha.

O que chama mais a atenção nas suas palavras foi a evolução verificada na Universidade de Macau, o que tende a ser desvalorizado pelos seus responsáveis e pelos dirigentes políticos. Mas ainda quando disfarçado é motivo de conversa, comentário e discussão em círculos mais ou menos restritos.

Diz Hao Zhidong que foi tempo em que era fácil convidar pessoas de Taiwan de diversas correntes políticas para participarem em eventos académicos, e que actualmente há o risco, como já aconteceu, dos convidados serem à chegada impedidos de entrar. Num sistema que, para quem anda no mundo, cada vez menos se sabe se é o primeiro, o segundo ou o único.

Se o caminho seguido em Hong Kong pode de algum modo ser compreendido pelo extremar das posições dos grupos internos pró-Pequim e pró-independência, com consequências imediatas ao nível da representação parlamentar, bem como nos episódios de violência que se seguiram e nos veredictos judiciais que foram sendo proferidos, já em Macau seria impensável que o garrote autoritário tivesse necessidade de se manifestar da forma por que o fez.

Sem antecedentes de violência dignos de registo – os últimos com dimensão situam-se há mais de cinquenta anos e numa altura em que os regimes políticos vigentes na China e de Portugal eram bem mais fechados do que são hoje –, com uma população reduzida, uma sociedade tradicionalmente pacífica, conservadora, avessa aos conflitos, onde o silêncio, o seguidismo e a hipocrisia, por vezes também a desonestidade intelectual, são normalmente premiados, e em que se contam pelos dedos de uma mão as vozes dos que ousam discordar e apelar ao sentido crítico dos seus concidadãos, nada faria prever o retrocesso verificado na democratização de Macau, nem o aumento do controlo da liberdade académica.

Quanto a esta de nada servirá a alguns responsáveis que se instalaram por cá ainda no tempo pré-1999, e cuja reverência ao poder vigente em nada difere da que antes manifestaram ao último governador português, virem dizer que por lá se respira o melhor dos mundos em termos de liberdade académica.  

Na RAEM, o sentimento de incumprimento de promessas anteriores, o reforço de mecanismos de controlo policial interno, com a desculpa da participação no esforço de segurança nacional (que sempre se cumpriu e a que sempre se foi sensível deste lado) e o ambiente de crispação latente que perpassa alguns sectores da vida pública, com especial incidência na actividade passiva e omissiva da Assembleia Legislativa (veja-se o que aconteceu com o décimo chumbo do projecto de lei sindical), por outro lado, acentuam o espírito sublinhado por aquele entrevistado de uma nova revolução cultural em marcha.

Porém, o ponto em que se mais se evidencia a teatralidade propagandística de algumas decisões prende-se com a forma como se tem vindo querer atribuir a Macau um papel que, tendo sido tentado antes sem sucesso, desde a fundação do Fórum Macau, e não obstante o empenho de uns quantos, se tornou mais óbvio ser forçado: o de constituir uma plataforma entre a China e os países de língua portuguesa.

Quanto a este chavão repetido sem sentido por muitos papagaios e catatuas, Hao pergunta para que precisa a China de Macau para fazer a ligação aos países de língua portuguesa, se pode fazer essa ponte sozinha. E, digo eu, como sempre o fez sem as dificuldades burocráticas e o atavismo dos interlocutores locais.

Em política ou em matéria de relações e negócios internacionais, a generosidade, ainda que camuflada, tem sempre um custo. E quando não é económico, em termos de liberdade académica ou de direitos fundamentais, assumirá uma matriz ideológica sem resultados úteis ao nível das comunidades destinatárias.

Isto pode não chegar para nos fazer reflectir sobre a cada vez mais previsível, e politicamente frágil, escolha do ainda Presidente da Assembleia Legislativa para ocupar a cadeira de Chefe do Executivo. Uma generosidade da Comissão Permanente da APN que deverá ser agradecida pelos súbditos locais.

Todavia, é quanto basta para se perceber o pouco tempo que o Presidente da República passará na RAEM no contexto da próxima viagem à China.

Não desvalorizando a importância do italiano, também feriado nacional, 25 de Abril só houve um e falava português.

Passaram quarenta e cinco anos, o pragmatismo continua a não se compadecer com a lamúria, arte em que localmente também somos exímios.

O pragmatismo adapta-se a tudo. É a nova peste negra. A nova revolução cultural a que se refere o Professor Hao. Acomoda-se aos tempos e segue em frente.

Os tremoços e amendoins rançosos que ontem distribuíam pelos bem-comportados de Macau são agora os nossos pistacchi (pistácios). Só a propaganda não muda. E é aí que ela conflitua com a liberdade. E a utilidade de alguns sacrifícios perante os resultados possíveis. Conhecidos e previsíveis.

Ainda assim um bom sinal para se voltar a estudar John Dewey e outros autores da mesma escola. Agora à luz do princípio “um país, dois sistemas”. E com um olhar nas mais recentes linhas da política externa portuguesa e nas expectativas dos residentes da RAEM. Um petisco.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:40

aterradora

por Sérgio de Almeida Correia, em 28.03.19

CESL-Asia_Booth-O15.jpg

(foto Macau Daily Times)

Oportuna e corajosa. É o mínimo que se pode dizer da entrevista dada pelo Presidente da CESL-ASIA e publicada no jornal Macau Daily Times, no mesmo dia em que se inicia o Fórum e Exposição Internacional de Cooperação Ambiental de Macau, conhecida em inglês pelo acrónimo MIECF (Macau International Environmental Cooperation Forum and Exhibition).

Já todos, os que aqui residimos, sabíamos da situação ambiental assustadora que se vive em Macau. E da forma como a incompetência se foi arrastando ano após ano, sem que os enfeudados às famílias e poderes tradicionais e aos seus negócios tomassem as medidas apropriadas para defesa do interesse público. De tal forma que para se exercer o poder e manter o status quo se conseguiu arruinar a qualidade de vida dos cidadãos de Macau, aquele que era o seu bem mais precioso, transformando o seu dia-a-dia num inferno poluído, sujo, doentio e mal cheiroso.

Inferno que, embora possa ser mascarado, a bem dizer envergonha localmente a República Popular da China e o Governo Central. E é uma humilhação para Macau e as suas gentes quando vê a sua governança colocada ao lado de uma cidade como Shenzhen, que com muito menos milhões e sem os recursos proporcionados pelo jogo, é incomparavalmente melhor gerida, e onde não existem os aterradores problemas ambientais de Macau, lugar em que até os peixes, dizem os serviços oficiais, morrem aos milhares por falta de oxigénio na água.

Triste, muito triste e revoltante.

Do que foi dito por António Trindade retive algumas considerações que, pela sua pertinência e manifesto interesse público, aqui traduzo, desde já me penitenciando por qualquer lapso de tradução:

"Eu diria que mais de 80% da água de esgoto produzida em Macau é descartada, sem tratamento, em águas costeiras, e isso significa que não há possibilidade de uma economia marítima. Mas o problema é muito mais amplo, porque não são apenas os peixes que morrem. É que depois surgem problemas de saúde como, por exemplo, gastroenterite, que aumentam quando ocorrem tufões e inundações. Toda essa poluição afecta o meio ambiente e o lugar em que vivemos”;

"Infelizmente a situação está a deteriorar-se e precisamos de ter uma solução";

Essa poluição não aparece por acaso; ocorre porque nenhuma das estações de tratamento de esgoto [ETARs] funciona adequadamente, e está provado que a Administração sabe disso há muito tempo e confunde a opinião pública sobre a verdadeira situação”;

"Trindade observou que, ao contrário da poluição resultante dos resíduos plásticos, o impacto das águas residuais não tratadas tem consequências diretas e imediatas, embora a maioria da população não tenha consciência da gravidade da sua exposição";

Não estamos falando apenas de gastroenterite, há muitas coisas envolvidas. Houve explosões ocorrendo no esgoto de Macau há alguns meses [devido a concentrações de gás metano], o que poderia ter conseqüências muito piores ”. O CEO da CESL Asia também disse que outros casos estão sendo relatados. Por exemplo, as pessoas que ficam intoxicadas por gases residuais em suas próprias casas são uma situação que normalmente ocorre durante a noite, quando há menos uso da tubulação de esgoto, disse ele. "O mesmo acontece com as toneladas de peixe que morrem a cada semana ou mais e a administração responde que isso se deve à falta de oxigênio, que é uma afirmação quase grotesca." "As pessoas comuns provavelmente não sabem, mas os especialistas sabem que a falta de oxigénio é um termo técnico para a poluição extrema";

Há 15 anos, Macau era considerado um centro de excelência em termos de infra-estrutura ambiental pública. Os problemas foram claramente identificados, mas infelizmente nada mudou ”;

"(...) passados mais quatro ou cinco anos, não há ETAR e não o teremos - pelo menos nos próximos três ou quatro anos. Então, o que estamos vendo é um atraso que chega a quase 10 anos, algo completamente impensável ”;

Macau não pode ser transformada em um Centro Mundial de Turismo e Lazer para a Grande Baía em condições tão precárias”. 

Recorde-se que o número dois da CESL-ASIA, e também seu accionista de referência e membro do Conselho de Administração, é o antigo deputado Dominic Sio, actualmente membro do 13.º Congresso Popular Nacional da RPC.

Dada esta sua qualidade, responsabilidades que tem na RAEM e perante a sua população e inerente sentido patriótico, certamente que não deixará de colocar ao corrente do que se está a passar em Macau a liderança chinesa em Pequim, a qual deverá extrair todas as consequências do trágico quadro actual (que deverá incluir ainda uma análise séria sobre a situação da saúde pública local, em que inclusivamente doenças praticamente erradicadas aparecem em força e numa instituição hospitalar privada largamente subsidiada pelo Governo) quando chegar o momento de emitir as suas "instruções" para a escolha do futuro Chefe do Executivo.

Se ao quadro ambiental actual juntarmos aquele que foi apresentado pelo Comissário Contra a Corrupção (CCAC), no seu último relatório, onde se denuncia o aumento de casos de abuso de poder, burlas e fraudes, roubos de materiais e até férias pagas com dinheiros públicos, mais o que se sabe sobre a falta de profissionais qualificados a todos os níveis – de médicos e enfermeiros a motoristas –, atraso e derrapagem nas obras públicas, crítica a diligências de altos titulares para admissão de familiares na função pública, então o panorama na RAEM, em final de ciclo do actual Chefe do Executivo, é o de um verdadeiro filme de terror. 

Uma coisa é certa: persistir nas soluções do passado, apenas porque estas têm o apoio de alguns ricaços maiorais locais, que há muito perderam a vergonha e apenas possuem um sentido patriótico de fachada para garantirem os seus privilégios em prejuízo de todos, só vai servir para agravar os problemas.

Hoje falta na água o oxigénio aos peixes. Em matéria de decisão política e boa administração, a avaliar pelo deserto de ideias, há muito que também vem rareando o oxigénio. Esperemos que amanhã o oxigénio não acabe de vez para todos os outros que não têm culpa nenhuma e que nem sequer podem escolher os seus governantes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:02

basílio

por Sérgio de Almeida Correia, em 25.03.19

801520.jpeg

(foto de Enrique Vives Rubio, daqui)

Ele não será propriamente um referencial de coerência política. Como todos nós tem as suas virtudes e os seus defeitos, e lá vai tendo os seus altos e baixos.

Agora saltou de novo para as páginas dos jornais por causa da gaiteira da Madonna, cantora e artista, à qual todo o país pacóvio e parolo se rendeu no dia em que a senhora resolveu fixar residência na terra onde o céu é mais azul e a luz mais luminosa.

Querer entrar com um cavalo, mesmo que "somente" durante uma hora ou hora e meia, pelo soalho de um palácio oitocentista que é património de todos, correndo o risco de danificá-lo, não me parece o mais curial. Nem quero imaginar o que seria se o quadrúpede resolvesse largar uns "talentos" à sua passagem, ou enquanto a artista se rebolasse com o dito para gáudio do realizador do filme.

Estiveram, pois, muito bem a autarquia de Sintra e o seu presidente Basílio Horta. As explicações que deram e a paciência que tiveram em relação a este assunto revelam bom senso e sentido do interesse público. Não há nada a apontar à sua actuação.

Pelo meu lado, estou cansado de ver as tristes figuras que alguns governantes provincianos têm feito ao longo de anos, à direita e à esquerda, para agradarem a qualquer labrego milionário, oligarca ou autocrata novo-rico que apareça de bolsos cheios e disposto a largar umas esmolas, seja nalgumas privatizações, seja nas tascas dos pobrezinhos.

E não será pelo facto dos filhos da madama andarem a treinar num clube da minha preferência que alguma coisa se altera. Cada cavalo na sua estrebaria. E olhem que gosto mais de cavalos do que de algumas cavalgaduras falantes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:59




Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Calendário

Maio 2019

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D



Posts mais comentados