Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Visto de Macau

Linhas em jeito de diário. Inspiração. Homenagem a espíritos livres. Lugar de evocação. Registo do quotidiano, espaço de encontros. Refúgio de olhares. Espécie de tributo à escrita límpida, serena e franca de Marcello Duarte Mathias.



Segunda-feira, 23.02.15

galinheiro

chickens-in-a-barnyard.jpg

Em Outubro de 2014 já alguém tinha perguntado se seria verdade que Portugal não iria estar presente na Exposição Universal de Milão 2015. Ninguém fez caso do assunto. A confirmação chegou esta manhã.

O Público revela que por uma "bagatela" de 8 milhões de Euros, Portugal não estará presente na Expo 2015. O evento abrirá portas no próximo dia 1 de Maio. Dos países lusófonos Portugal e Timor-Leste serão os ausentes. Mas estarão lá outros 145 países.

A decisão, ao que parece, reside na ministra das gravatas, Assunção Cristas. E pese embora o tema da Expo 2015 ser "Alimentar o Planeta, Energia para a Vida", a ministra achou preferível prestar mais esse serviço, em nome do Governo que integra e do CDS-PP que a indicou, aos agricultores e exportadores portugueses. Ficando em casa também não correm o risco de se constiparem em Milão com a porcaria dos ares-condicionados, agravando as despesas do Serviço Nacional de Saúde na hora do regresso.

O secretário-geral da CAP diz que não sabe como foi possível deixar passar esta oportunidade. Luís Mira não sabe? Anda desatento, é o que é, pois só assim se percebe que não tivesse ficado calado. 

Compreende-se perfeitamente que promover Portugal e a sua produção agro-alimentar, dando consistência à tão apregoada diplomacia económica, não deverá inserir-se nas tarefas da ministra Cristas. E ir a Milão não é a mesma coisa que ir ao Brasil ou aos Estados Unidos ou vender chouriças em Macau.  

Acrescenta o jornal que o MNE mandou perguntar o que se passou ao gabinete do vice primeiro-ministro. Fez muito bem porque consta que Paulo Portas terá a responsabilidade pela diplomacia económica. Mas como este ministro não sabia de nada, o seu gabinete do ministro mandou perguntar ao Ministério da Agricultura. O procedimento seguido mostra que este foi mais um passo do guião para a reforma do Estado, pelo que lá seguiu, presumo, o ofício da praxe. Ou, quem sabe, a comunicação electrónica por recurso às novas tecnologias do defunto socratismo. De qualquer modo, confesso que já não sei se Paulo Portas ainda tem a responsabilidade pela diplomacia económica ou se só pela campanha eleitoral para as legislativas. Admito que para o caso seja indiferente. O ministro está sempre a ser traído pela pose de estadista e a agenda que de tempos a tempos nos dá a conhecer, mas quem o ouça percebe logo que tudo, com excepção do que dá para o torto, se insere nas suas tarefas. 

E também não vejo qual seja o espanto da ausência portuguesa. É natural que um país que apostou na diplomacia económica e que só num ano exportou 5450 milhões de euros de produtos agrícolas queira poupar cerca de 8 milhões de euros para não ter o incómodo de se mostrar num certame cujo número de visitantes se estima nuns míseros 20 milhões.

Esta ausência de Portugal da Expo 2015 é, aliás, reveladora da coesão da equipa governativa e do pensamento que o CDS-PP e o senhor primeiro-ministro têm da diplomacia económica. Trata-se, evidentemente, de mais uma demonstração da solidariedade portuguesa para com a Grécia, a Itália e a Espanha, que assim poderão ver os seus produtos ocuparem o espaço que estaria destinado aos mandriões dos empresários e agricultores portugueses.

Além do mais, estou certo de que todos concordarão que nos 150 milhões de euros que Portugal irá poupar todos os anos com os juros resultantes da antecipação dos reembolsos à troika - quem o disse foi aquela funcionária  do ministro Schäuble - seria muito difícil ir buscar o dinheiro necessário ao investimento para a participação portuguesa.

E também reconheço que seja mais fácil obrigar os portugueses a arranjarem o dinheiro necessário para se safar os estafermos do BPN e do BES do que fazer uma colecta entre os empresários portugueses que estivessem disponíveis para  financiarem a participação portuguesa. Isso não faz parte das tarefas de quem enche a boca com os agricultores e os pescadores portugueses e se dedica a perorar em tudo o que é feira e romaria entre um copo de tinto e um pastelinho de bacalhau, enquanto pisca o olho ao inquilino de Belém.

E mais do que compreender tudo isso, não posso deixar de aplaudir a coerência e a sábia estratégia que está por detrás da decisão de estar ausente de Milão. Todos sabiam que depois do descalabro socialista os portugueses teriam que viver com muito menos. Teriam de empobrecer até ao tutano para serem ainda mais felizes. Milão não é destino para donas de casa poupadinhas e arrumadinhas.

O único reparo que faço à estratégia seguida é que o seu programa de governo não tivesse revelado atempadamente aos portugueses que a imagem do seu impante Galo de Barcelos iria ser substituída pela de um galinheiro. Um galinheiro dependente de um par de matronaças somíticas, que de quando em vez se dignam ir à bolsa do seu avental buscar umas côdeas e umas couves que atiram para os frangos debicarem, assim mantendo os capões, outrora galos tonitruantes, à distância, com as cristas baixas e dependentes dos esclarecimentos que lhes queiram ser prestados. 

Não há imagem mais perfeita do caminho percorrido, do reconhecimento do trabalho de um tal Pedro Reis, das conquistas conseguidas com a troika, da excelência dos nossos produtores, da reforma do Estado e do apoio do Governo à estratégia de diplomacia económica, do que a do galinheiro. A imagem de um galinheiro, espelhada na indigência das nossas preocupações de Estado, no trânsito de ofícios entre ministérios e na notável e salazarenta avareza de que as nossas madamas dão mostras, é a única conjugável com a satisfação dos capões e o aumento de volume da pança dos novos "Tenreiros".   

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Sérgio de Almeida Correia




2 comentários

De :P a 27.02.2015 às 15:36

Que possidónio, agricultura !?! Tenha dó, nós somos mais é nanotecnologias e outras de ponta. Agricultura, quanto muito, seria a feira do cavalo na Golegã. O resto é coisa pindérica, ainda por cima com sotaques assim abrutalhados. Em Cascais nem sequer já existem hortas!

De :P a 27.02.2015 às 16:34

No meu comentário anterior há uma imprecisão quando disse que em Cascais não há hortas. Bem, não sei se é em Cascais mas há-de ser perto a horta de Jô Caneças. O que me leva agora a afirmar que a ministra não tem imaginação - mandava uma delegação encabeçada pela referida "socialite", mais uns Telles, uns Cid e uns Lupi, ou mesmo uns Cadaval e uns Palmela mais uns cavalos de Alter, se eles aceitassem ser encabeçados pela Jô claro, - parece que ela é assim um pouco sem linhagem mas prontos, tem uma horta, (dizem, que lhe puxa o pé para o chinelo). Mas prontos, provaria que somos modernos e já não ligamos assim tanto a essas coisas de sangues azuis. Na agricultura há lugar pra todos, da horta à herdade aristocrática. Mas o melhor mesmo é que isto seria a custo zero pois a nossa representação seria totalmente financiada pela revista Caras. O ministério só pagaria o transporte dos cavalos que não haveria de ser muito e mostraria aos snobs dos italianos que nós não somos esses pacóvios que eles acham que nós somos.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728



Posts mais comentados