Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Visto de Macau

Linhas em jeito de diário. Inspiração. Homenagem a espíritos livres. Lugar de evocação. Registo do quotidiano, espaço de encontros. Refúgio de olhares. Espécie de tributo à escrita límpida, serena e franca de Marcello Duarte Mathias.



Sexta-feira, 28.08.15

insânia

Gun murders.png

Já várias vezes me manifestei contra a facilidade com que se comercializam e se acede a armas nalguns países. Sei que o resultado é igual a zero, mas nem por isso deixarei de exercer a minha liberdade de crítica e de opinião e de me manifestar contra a situação. O que se passa nos Estados Unidos da América e que se tem vindo a agravar em cada ano que passa ultrapassa os limites do aceitável num mundo civilizado. As justificações que têm sido dadas para a continuação da bagunça, numa espécie de prolongamento do Far West pelo século XXI, são as mais bizarras, apesar dos números há muito dizerem que a situação é insustentável aos olhos de qualquer civilização digna desse estatuto.

A quantidade de casos verificados nos últimos anos, de mortes fortuitas ou deliberadas provocadas pela liberdade de acesso às armas, de atentados facilitados pelo livre mercado de armas e explosivos, há muito que devia ter obrigado à adopção de outras medidas para sua própria segurança e dos seus cidadãos. A forma como os EUA se arvoram em polícias do mundo e campeões dos direitos humanos contrasta com as cenas diárias de violência e com os constantes abusos cometidos pela suas forças policiais. Ontem ouvi uma notícia dando conta de que uma dessas cadeias comerciais especializadas no comércio de armamento deixaria de vender ao público "armas de assalto". Calculo que se tratem "apenas" de armas automáticas, metralhadoras e coisas do género, do tipo das que têm sido utilizadas nalgumas carnificinas. Será um pequeno passo dado que revólveres como o que foi utilizado há dois dias para tirar a vida a um par de jovens jornalistas devem continuar a ser livremente comercializados. O milionário Trump, com aspirações a presidente, e de cuja boca saem diariamente as maiores inanidades, diz que o problema não são as armas mas antes a falta de apoio a doentes do foro psiquiátrico. Não sei se quando o disse estaria a pensar no "Obama Care" ou se estaria a contar que os potenciais criminosos com problemas psiquiátricos ou psicológicos tivessem seguro de saúde que cobrisse os custos desse apoio. De qualquer modo, é duvidoso que se estivesse também a referir a si próprio, embora me pareça que não esteja muito longe da verdade.

Não é por nada, e não me estou agora a referir à pena de morte e ao sadismo utilizado nas execuções de alguns condenados, cujo fim se prolonga ao longo de horas, mas quando se olha para as estatísticas dos mortos e para o número de armas vendidas, e ao mesmo tempo se fica a saber que o responsável pela morte de uma dúzia de pessoas foi condenado a 12 (doze) penas de prisão perpétua, somos levados a pensar que não é só uma meia dúzia de loucos que precisa de acompanhamento psiquiátrico. Não sei se há alguma coisa de lógico na condenação de uma pessoa - presumo que o crime não o faça perder essa condição por muitas interrogações que o seu acto suscite - numa pena dessas. Ou se haverá alguma coisa que me esteja a escapar.

Perante isto, lendo as estatísticas, vendo na televisão o sentenciado vestido com a farda cor-de-laranja do estabelecimento prisional, de mãos e pés algemados perante um tribunal, embora esteja também ladeado de polícias fortemente armados e com o dobro da sua altura e volume, numa imagem que é um retrato da humilhação da própria espécie a que o juiz que condena pertence, num quadro que em nada difere dos que as cavalgaduras do auto-proclamado estado islâmico apresentam a essa mesma televisão quando exibem os seus troféus de carne e osso, sou levado a concluir que é toda uma nação que está a precisar de acompanhamento médico. A começar pelo seu direito penal e pela forma como trata os seus cidadãos, seres humanos, tratamento que por aquilo que nos tem sido transmitido difere muito pouco do estado natural que Hobbes nos descreveu no Leviathan e em que a vida mais não é do que "an egoistic quest for the satiation of desires". Ou pior, porque ali ninguém caía no ridículo de condenar o seu semelhante a doze penas de prisão perpétua. Como se uma só não fosse já suficiente para mostrar a miséria do sistema, a sua absoluta indigência, a sua total incapacidade para regenerar. Se ao menos ainda servisse para melhorar as estatísticas...

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Sérgio de Almeida Correia




Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2015

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031



Posts mais comentados